Tempo
|
A+ / A-

Se Governo não aumentasse pensões "havia problemas jurídicos", diz Marcelo

17 abr, 2023 - 19:10

"Eu nunca tive dúvidas que ia acontecer", diz o Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa destaca, ainda, o facto de o cálculo para o aumento pensões em 2024 ter por base o aumento intercalar de julho deste ano.

A+ / A-

Veja também:


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, nunca teve dúvidas de que o Governo ia avançar com um aumento intercalar das pensões, caso contrário “havia problemas jurídicos“.

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou esta segunda-feira um aumento intercalar de pensões, de 3,57%, no mês de julho. A medida não terá retroativos a janeiro deste ano.

Em declarações aos jornalistas à margem da entrega do Prémio Pessoa, em Lisboa, o Presidente da República considera que o Governo fez agora o que devia ter feito.

“É o Governo a fazer aquilo que podia ter feito quando, a certa altura, decidiu esperar para ver se podia fazer. Eu sempre achei que iria fazer, porque se não o fizesse havia problemas jurídicos que se levantavam”, declarou Marcelo Rebelo de Sousa.

O Presidente destaca, também, o facto de o cálculo para o aumento pensões em 2024 ter por base já o aumento intercalar de julho deste ano.

"Inclusivamente, ficamos hoje a saber o que para mim era uma evidência, é que a base de cálculo do aumento das pensões vai ser a base correspondente ao aumento que haveria e que era devido pela aplicação da lei. Eu nunca tive dúvidas que ia acontecer, mas lembram-se que na altura se esperou para ver se a economia dava ou não e se havia disponibilidade financeira", declarou o chefe de Estado.

Nestas declarações ao jornalista, Marcelo Rebelo de Sousa admite que, se for necessário, o Governo venha a tomar novas medidas de apoio às famílias no outono.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luiz Campos Barbosa
    17 jul, 2023 Couteiro 40 Braga Portugal 17:43
    É muito pouco mas já está melhor

Destaques V+