A+ / A-
EUA

Forma como os abusos sexuais na Igreja são vistos varia consoante a prática religiosa

11 jun, 2019 - 15:01 • Filipe d'Avillez

Um estudo do Pew Research Center mostra que maioria dos norte-americanos considera que a questão é sobretudo um problema católico. Contudo, os católicos, sobretudo os mais praticantes, acreditam que diz respeito à sociedade em geral.
A+ / A-

A forma como os americanos interpretam o problema dos abusos sexuais na Igreja Católica varia consoante a identidade religiosa e, por vezes, da etnia.

Um estudo da prestigiada Pew Research Center revela que embora a maioria dos americanos acredite que o problema dos abusos diz respeito sobretudo à Igreja Católica, os próprios católicos consideram que é uma questão social, que também acontece noutras religiões e com igual, ou maior, frequência entre outros setores da sociedade que têm contacto com crianças.

Segundo o estudo, quase 80% dos inquiridos consideram que o problema dos abusos sexuais é uma questão que se mantém atual na Igreja Católica, com apenas 12% a dizer que diz respeito a situações que já estão no passado.

Entre os católicos a maioria também acha que o problema é atual, embora o valor desça para 69%, com 24% a dizer que diz respeito sobretudo a questões do passado. A discrepância é ainda maior quando a pergunta é sobre se os abusos acontecem mais na Igreja Católica do que noutras confissões religiosas. Aí 51% dos não-católicos dizem que o problema é prevalecente entre a hierarquia católica e 44% que acontece na mesma medida noutras religiões. Contudo, 61% dos católicos diz que o problema é transversal a todas as confissões, com apenas 33% a manifestar a ideia de que acontece mais na Igreja Católica.

O estudo revela algumas divergências étnicas. Entre católicos caucasianos, por exemplo, 39% consideram que o problema é mais comum na Igreja Católica do que noutras, enquanto esta visão apenas é partilhada por 22% dos católicos de origem hispânica.

Entre os não-católicos, ateus e judeus são os que têm uma visão mais crítica da Igreja. Ao todo 93% dos ateus considera que os problemas no seio da Igreja se mantêm, enquanto 72% dos judeus inquiridos considera que os abusos acontecem com mais frequência na Igreja Católica do que noutras confissões.

Papa com nota positiva

Outro tema que o estudo aborda são os efeitos que a crise tem tido sobre os fiéis. Entre os inquiridos católicos, 27% passou a ir menos frequentemente à missa e 26% passou a doar menos dinheiro à Igreja por causa do escândalo. Contudo, estes dados variam bastante consoante o nível de prática religiosa. Entre os que afirmam que vão à missa pelo menos uma vez por semana, só 15% é que admitem que a crise os levou a diminuir a prática e 20% a cortar nos donativos. Já entre os que vão com menos frequência, os números são 32 e 28%, respetivamente.

Um dos efeitos que esta última ronda da crise de abusos nos Estados Unidos tem tido é uma quebra na confiança em relação aos bispos e à sua capacidade de lidar com o assunto, particularmente depois de se ter sabido, no verão de 2018, que o responsável por elaborar e apresentar as orientações da Igreja americana para lidar com casos de abusos sexuais, o cardeal Theodore McCarrick, era ele próprio um abusador. McCarrick foi destituído do Colégio dos Cardeais pouco depois das revelações e, já em 2019, laicizado.

De acordo com o estudo da Pew, apenas 36% dos católicos americanos consideram que os bispos têm estado a lidar bem com esta questão. O caso muda bastante de figura quando questionados sobre o seu bispo em particular, com 49% a dizer que a atuação tem sido positiva. Já 55% do total considera que o Papa Francisco tem lidado bem com o assunto.

Mais uma vez, porém, os dados variam consoante a prática religiosa. Entre os católicos que vão pelo menos uma vez à missa 64% aprova da atuação do Papa Francisco, 66% do seu próprio bispo e 51% da conferência episcopal americana em geral. Para os que vão menos do que uma vez por semana à missa os valores são mais negativos, com 51% para o Papa, 42% para o próprio bispo e 30% para os bispos em geral.

A Pew informa que o estudo foi elaborado entre a cimeira sobre os abusos sexuais na Igreja convocada pelo Vaticano em fevereiro de 2019 e a emissão de orientações universais por parte do Papa Francisco, em março.

Outra conclusão do estudo é que cerca de sete em cada dez americanos ouviu falar mais na crise de abusos sexuais dentro da Igreja Católica do que noutras confissões, o que poderá refletir o facto de os casos ligados à Igreja Católica serem alvo da atenção da comunicação social com maior frequência do que os casos que se têm verificado noutras igrejas ou religiões.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.