A+ / A-

Facebook e YouTube processados por causa de imagens de Christchurch

25 mar, 2019 - 13:30

Um grupo de muçulmanos franceses quer responsabilizar as redes sociais por terem permitido que as imagens do massacre nas duas mesquitas de Christchurch fossem transmitidas em direto e mais tarde partilhadas.
A+ / A-

Veja também:


As empresas Facebook e YouTube vão ser processadas por terem permitido a transmissão ao vivo, e posterior partilha nas suas redes, de imagens dos massacres em duas mesquitas em Christchurch, na Nova Zelândia.

O processo vai ser apresentado pelo Conselho Francês da Fé Islâmica, uma das principais organizações islâmicas em França. O anúncio foi feito pela própria organização, esta segunda-feira.

O autor dos massacres transmitiu toda a sua ação ao vivo, através de uma câmara montada no seu corpo. No total foram assassinadas 50 pessoas no ataque, que começou na mesquita Al Noor e depois prosseguiu no Centro Islâmico de Linwood.

A transmissão durou 17 minutos e, depois de ter terminado, ainda era possível encontrar imagens partilhadas em ambas as redes sociais, bem como no Twitter e noutras redes, como o Instagram e o WhattsApp, que pertencem ao Facebook.

O atentado foi levado a cabo por Tarrant Brenton, um australiano ligado ao movimento supremacista branco, de extrema direita.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.