A+ / A-

"Pico de energia" terá provocado maior tragédia da história do Flamengo

09 fev, 2019 - 20:25 • Redação

Primeiros funerais dos jovens jogadores mortos no incêndio na academia do clube brasileiro realizaram-se este sábado.
A+ / A-

Veja também:


A tragédia na academia do Flamengo, no Rio de Janeiro, terá sido causada por “picos de energia” que provocaram um incêndio no sistema de ar-condicionado, afirmou este sábado o presidente do clube Reinaldo Belotti.

O fogo deflagrou na madrugada de sexta-feira, um dia depois de um temporal ter provocado sete mortos e espalhado a destruição em vários pontos da cidade.

O presidente do Flamengo disse que o mau tempo provocou vários picos de energia, que podem ter causa o incêndio que matou dez futebolistas e funcionários da academia do clube, conhecida como Ninho do Urubu.

“Houve picos de energia durante a noite, fomos vítimas disso na sexta-feira de manhã. O que sabemos até agora foi o que a perícia falou, que o problema começou no ar-condicionado, ninguém pode garantir porquê. Estava em perfeita ordem, funcionando. A suposição agora é que esses picos tenham influenciado o funcionamento regular do ar e ocasionado o incêndio. E com um incêndio desse porte, com a fumaça tóxica, as pessoas começam a desfalecer. Foi um acidente trágico", declarou Reinaldo Belotti.

Incêndio no centro de estágios do Flamengo faz dez mortos
Incêndio no centro de estágios do Flamengo faz dez mortos

O sistema de ar-condicionado tinha sido alvo de uma manutenção, recentemente, adianta o dirigente do clube com mais adeptos do Brasil, cerca de 40 milhões.

“Houve uma sucessão de acontecimentos depois de um dia catastrófico no Rio que levaram a uma catástrofe ainda maior”, afirmou Belotti.

Um dos 13 jovens jogadores que conseguiram escapar às chamas contou ter visto o aparelho de ar-condicionado a arder.

Além dos dez mortos, entre os 14 e 16 anos, a tragédia no Ninho do Urubu provocou três feridos, um encontra-se em estado grave.

Numa declaração aos jornalistas, o presidente Flamengo garantiu que a falta de licença para o edifício onde ocorreu um incêndio não foi o fator responsável pelo incidente.

Poucas horas após o incêndio, a prefeitura do Rio de Janeiro avançou que o dormitório das camadas jovens foi construído numa zona destinada a um parque de estacionamento. A cidade avisou o clube “cerca de 30 vezes” que tinha de encerrar as instalações.

"Alvarás e multas não têm nada a ver com o incêndio que ocorreu. Trabalhamos de forma árdua em busca das licenças. Precisávamos de nove certificados para obter o alvará, já temos oito. Estamos em contato permanente com o Corpo de Bombeiros. Não foi por falta de investimentos e nem de cuidados do Flamengo. Eles eram o nosso maior ativo, o nosso futuro, e prezamos muito por isso", disse Reinaldo Belotti.

O Instituto Legal do Rio de Janeiro entregou às famílias os corpos de sete jovens que já foram identificados e este sábado realizaram-se os primeiros funerais.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.