A+ / A-

“Mães ocupas”. Assunção Cristas considera “imoral” haver casas da Câmara de Lisboa vazias

30 nov, 2018 - 00:19

Líder do CDS reage à reportagem da Renascença sobre mães solteiras, com filhos menores, que ocupam ilegalmente casas vazias da autarquia porque não têm alternativa.
A+ / A-

Veja também:


É imoral a Câmara de Lisboa manter casas vazias, quando há mães que não têm teto para os filhos, acusa a líder do CDS. Assunção Cristas reage à reportagem da Renascença sobre mães solteiras, com filhos menores, que ocupam ilegalmente casas vazias da autarquia porque não têm alternativa.

Muitas mães acabam despejadas e acusam as autoridades de violência e humilhação, um cenário que a vereadora do CDS diz conhecer das visitas que tem feito aos bairros sociais da cidade.

À Renascença, Assunção Cristas diz que a situação é chocante e acusa a autarquia de passividade.

“Não é admissível esta atitude de passividade e de verdadeira imoralidade que é ter casas fechadas sem serem atribuídas. Não é possível, não é aceitável que isto aconteça. Só falta de verdadeira vontade política é que leva a isso mesmo, porque é possível encontrar mecanismos para fazer, rapidamente, obras nas casas para as atribuir com rapidez, para ter uma lista completa sempre a funcionar: fica uma casa livre, entrega-se de imediato.”

A vereadora centrista da Câmara de Lisboa e líder do CDS revela que o partido tem apresentado várias propostas para evitar que as casas de habitação social permaneçam vazias durante longos períodos de tempo.

O CDS defende a existência de “um intervalo muito curto entre uma casa ficar vaga e ser atribuída” e a realização de um “levantamento de todas as casas para que sejam rapidamente arranjadas e entregues às pessoas que delas precisam”.

Assunção Cristas lamenta falta de respostas do executivo camarário da capital e recorda que, em relação às pessoas que ocupam casas ilegalmente, o partido apresentou “uma moção que, infelizmente foi chumbada, precisamente para que as pessoas não sejam despejadas sem terem o devido acompanhamento”.

“Já apresentámos, estamos à espera que seja agendado, uma proposta de regulamento completo de atribuição de habitação municipal. Infelizmente, não temos tido grande acolhimento”, lamenta a líder do CDS.

A Câmara de Lisboa responde ao caso na reportagem da Renascença "Mães Ocupas", através de um comunicado da vereadora da Habitação. A autarquia declara as ocupações "ilícitas", mas garante que apoia estas famílias, “dirigindo-as para programas adequados ou, quando necessário, para respostas de emergência social”.

Questionado pela Renascença, o autarca Fernando Medina não se quis pronunciar sobre a situação destas mães.

Já o presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social lembrou que há um grande número de pessoas, sobretudo mães, a viver em situações "muito, muito complicadas", revelando uma "feminização da pobreza". D. José Traquina revelou que há "milhares" de pedidos de ajuda relacionados com habitação e instou que estas situações sejam "levadas a sério pelas instituições próprias".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Rui
    30 nov, 2018 Lisboa 14:02
    Pois é toda a gente sabe que se a cristas fosse presidente da câmara de Lisboa iria imediatamente recuperar e entregar essas casas a que não tem é precisa cimo é o casa dos filhos menores com mãe solteira especialmente nesta altura de elevada especulação imobiliária e depois quando os miúdos crescessem e já não precisassem das casas a Dra cristas ia voltar a recuperar e entregar essas casas aos idosos que não ganham uma reforma que chegue para pagar a renda.