A+ / A-
Mães Ocupas

Com "milhares" a pedir ajuda, Igreja quer resposta do Governo contra "a indiferença e o descarte"

29 nov, 2018 - 18:43

Em reação à reportagem da Renascença “Mães Ocupas”, o presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social lembrou que há um grande número de pessoas, sobretudo mães, a viver em situações "muito, muito complicadas". E culpou a "irresponsabilidade e indiferença" na sociedade.
A+ / A-

Veja também:


O presidente da Comissão Episcopal da Pastoral Social, D. José Traquina, explicou à Renascença que as diversas Cáritas Diocesanas espalhadas pelo país têm recebido “milhares” de pedidos de ajuda por parte de famílias em situação de carência económica e de habitação.

“Em 2017, chegaram muitos milhares de pedidos às Cáritas Diocesanas para situações de pessoas endividadas, questões que têm a ver não só com a sua vida, mas com a sua residência. Questões que têm a ver com a sua dificuldade em responder aos compromissos e com situações de despejo”, lembrou.

Reagindo à reportagem da Renascença “Mães Ocupas”, que revela a história de três mães solteiras, Ana, Jéssica e Vanessa, que ocuparam (ou pensam ocupar) apartamentos vazios detidos pela Câmara de Lisboa, D. José Traquina pede "reflexão" quanto à figura da mulher em situações limite como a ocupação.

“No que diz respeito a estas situações de pobreza, relacionadas com as mães solteiras, uma das características da pobreza em Portugal é a feminização da pobreza. Ainda é muito sobre a mulher, a mulher-mãe e a mulher jovem que recai esta dimensão da pobreza. E isto deve fazer-nos pensar e refletir.”

O também bispo de Santarém e antigo bispo auxiliar de Lisboa, recorrendo aos indicadores do Instituto Nacional de Estatística, que apontam que 23,3% da população portuguesa está em risco de pobreza, explica que “os rendimentos económicos dos pobres são inferiores aos do início da crise”, em 2008.

D. José Traquina garante: “Se houve melhoria económica, não chegou aos mais pobres. E isto é preciso levar a sério pelas instituições próprias”.

As “instituições próprias” são, também, as instituições do Estado e as autarquias. Também nestas há ainda “uma cultura da indiferença e do descarte”, lamenta D. José Traquina, “e isso chega aos pobres de uma forma impressionante”.

“Há muita irresponsabilidade e muita indiferença na sociedade, sobretudo nas grandes cidades como Lisboa, onde estão as pessoas com maiores rendimentos, mas também um grande número de pessoas que são pobres e vivem em situações muito, muito complicadas”, lamenta.

D. José Traquina espera que situações como as de Ana, Jéssica e Vanessa sejam “temporárias”. “Mas para que seja temporário é preciso que as instituições de poder, que têm o poder governativo e o poder de gestão da economia, estejam na disposição de rever o rendimento das pessoas."

E conclui: “Não se percebe que Portugal seja dos países europeus onde a diferença de rendimentos entre os mais ricos e mais pobres é maior. É preciso coragem de quem governa, de quem decide, e perceber que as coisas não estão bem”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Lv
    30 nov, 2018 Lx 19:30
    Eu queria resposta da Igreja!