|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Óbitos

A+ / A-

Lisboa é a região que menos cresceu na última década

13 nov, 2018 - 11:38 • Pedro Mesquita

Lisboa deixou de ser o principal motor da economia portuguesa, revela um estudo da Universidade do Minho.

A+ / A-

Lisboa é a região do país onde o Produto Interno Bruto (PIB) mais caiu em relação à média nacional, nos últimos 10 anos. Foi a região que mais sentiu a crise e é aquela que mais lentamente está a recuperar.

Este é um dos dados a sublinhar no estudo "Assimetrias e Convergência Regional", preparado por uma equipa da Universidade do Minho para a Associação Comercial do Porto.

O PIB per capita da Área Metropolitana de Lisboa caiu de 144% do PIB per capita nacional, em 2000, para 132%, em 2016. Na prática, Lisboa deixou de ser o principal motor da economia portuguesa.

Nesta fase, o que mais contribuiu para o crescimento da economia portuguesa foram a indústria e as exportações, com destaque para regiões como o Ave e o Tâmega e Sousa, tradicionalmente mais desfavorecidas e com menos qualificações. O coordenador deste estudo chega a comparar estas regiões, no capítulo da formação, à Colômbia ou Botswana.

"Portugal teve um modelo de desenvolvimento que se esgotou, muito assente no peso do Estado”, explica Fernando Alexandre à Renascença. O coordenador do estudo, realça que a região de Lisboa é a mais endividada do país e aquela que está mais dependente das compras e vendas ao Estado, o que está a atrasar a sua recuperação económica.

"Lisboa tem que mudar, porque o país tem que mudar", afirma Fernando Alexandre. “Há uma grande concentração dos serviços do Estado em Lisboa, muitos estão lá por inércia e criam uma enorme dependência da região dos serviços dos estado”, constata, salientando que "não é eficiente do ponto de vista económico".

Fernando Alexandre defende que todas as entidades reguladoras devem sair de Lisboa. Contudo, alerta, o planeamento deve ser feito a dez anos, "para não acontecer a trapalhada que aconteceu com o Infarmed”.

O estudo conclui que a administração local se tem mostrado mais eficiente nas suas compras e defende, por isso, que seria benéfico aumentar as receitas próprias dos municípios. Neste capítulo, sugere uma maior aposta na educação e formação profissional como forma de aumentar a competitividade das regiões e, no plano económico uma distribuição geográfica mais equilibrada das empresas fornecedoras do Estado, particularmente concentradas hoje em Lisboa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • RX
    13 nov, 2018 LX 12:35
    Não admira. Onde cresce a CORRUPÇÃO diminui a ECONOMIA.