A+ / A-

Estudo da UMinho. Portugal é "o país mais centralizado da Europa"

12 nov, 2018 - 18:21 • Henrique Cunha

Estudo da Universidade do Minho analisou 85 mil contratos do Estado, concluindo que há uma elevada concentração de compras do Estado em Lisboa.
A+ / A-

Um estudo da Universidade do Minho (UMinho) conclui que Portugal é "o país mais centralizado da Europa".

O estudo, que é apresentado na terça-feita pela Associação Comercial do Porto, analisou 85 mil contratos do Estado, demonstrando a concentração das compras do Estado em Lisboa.

“Se há coisa que este estudo mostra à sociedade é de facto a hiperconcentração em Lisboa das compras do Estado”, diz à Renascença o presidente da Associação Comercial do Porto, Nuno Botelho.

Botelho dá o exemplo de “reitores do Interior que têm que comprar viagens para o estrangeiro através de empresas que estão sediadas em Lisboa e que, em alguns casos, nem portuguesas são”, algo que "não faz sentido nenhum”, até porque “as viagens ficam mais caras”.

Para Nuno Botelho, “tudo isto faz com que o nosso pais seja o mais concentrado da Europa e um dos mais atrasados e com menor crescimento”.

"Assimetrias e Convergência Regional: Implicações para a Descentralização e Desconcentração do Estado em Portugal" é o tema do estudo encomendado à Universidade do Minho, em que "foram analisados 85 mil contratos”, o que o torna no “maior estudo alguma vez realizado em Portugal sobre descentralização”.

O presidente da Associação Comercial do Porto revela que, no âmbito deste estudo, “serão apresentadas, no início do próximo ano, outras vertentes sobre outros temas”, nomeadamente “sobre temáticas como o transporte e de como deve ser feita a descentralização do transporte"

O estudo da Associação Comercial do Porto é apresentado amanhã no Palácio da Bolsa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.