A+ / A-

Marcelo quer uma Web Summit permanente em Portugal

08 nov, 2018 - 17:35 • Cristina Nascimento

Presidente da República discursou esta quinta-feira no encerramento da cimeira tecnológica em Lisboa.
A+ / A-

Marcelo Rebelo de Sousa quer que o espírito Web Summit seja permanente em Portugal. “Temos de criar uma plataforma digital permanente”, disse esta quinta-feira, depois de ter aplaudido o facto de Lisboa ter sido escolhida pelos organizadores para continuar a acolher a cimeira tecnológica por mais 10 anos.

“Todos os anos temos de procurar fazer melhor e diferente”, apelou o Presidente da República no encerramento desta edição da Web Summit, após ter sido recebido no Altice Arena sob um forte aplauso dos participantes.

A fechar o evento pelo segundo ano consecutivo, Marcelo pediu depois a inclusão de todos na cultura digital. “Cheguei agora de uma reunião com refugiados: não devemos esquecer-nos do resto da sociedade. Não devemos deixar ninguém para trás. A educação digital é uma coisa importante”, afirmou.

No seu discurso, o Presidente mencionou ainda um desafio para o digital: a necessidade de garantir “liberdade, diálogo e tolerância”.

“O desafio é usar a tecnologia para a paz, para a tolerância. Essa é a mudança. Porque esta onda que está a atravessar o mundo é o oposto à revolução tecnológica. Temos de lutar pelos valores dos princípios da liberdade, para a paz”, disse, pedindo aos presentes que disseminem esta mensagem.

“Têm de levar essa mensagem para o mundo, não guardem essa mensagem só para vocês. Ajudem a criar um melhor mundo”, rematou.

Depois do discurso de Marcelo Rebelo de Sousa, subiu ao palco o fundador do evento, Paddy Cosgrave, que deu por terminada mais uma edição da Web Summit, a terceira a ter lugar na capital portuguesa.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.