A+ / A-

Web Summit por 10 anos em Lisboa. "Vamos construir um futuro incrível aqui"

03 out, 2018 - 10:35

O anúncio formal foi feito esta quarta-feira de manhã, numa cerimónia com a participação do primeiro-ministro e do presidente da Câmara de Lisboa. Fundador do evento diz: "O meu coração está em Lisboa.”
A+ / A-

A cerca de um mês da terceira edição da Web Summit em Lisboa, Paddy Cosgrave anuncia que o evento vai ficar em Lisboa até 2028.


No anúncio oficial, esta quarta-feira de manhã no Altice Arena, o primeiro-ministro português salientou a importância desta conquista, dizendo que a realização da Web Summit em Portugal “é mais do que um motivo de atração turística”, é “projetar uma imagem do nosso país como país da inovação e da tecnologia, que dá de si próprio a limagem de que é capaz de atrair empresas altamente tecnológicas, que criam emprego”.

No fundo, resumiu, é um passo “importante para continuarmos a construir o país que queremos construir”. “Portugal é um país de oportunidades e tem a legítima ambição de ter emprego e com bom salário”, afirmou ainda António Costa.

No mesmo sentido foi o discurso do presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina, que pretende “fazer de Lisboa uma capital da inovação e do empreendedorismo”.

“O que fazemos aqui, com este anúncio, é dar força ao setor moderno, que progride, que avança, que puxa pelo melhor da nossa economia para nos podermos afirmar na economia mundial. É um passo decisivo para que Lisboa seja esta capital que todos ambicionamos” e que “vai permitir um incremento na vida económica do país”, defendeu.

Com a realização da Web Summit em Lisboa até 2028, procura-se “efeitos de longo prazo, estruturais, que mudam a imagem da cidade e do país”, afirmou ainda o autarca lisboeta.

Mas, para tal, é importante que saibamos aproveitar as oportunidades – e é o desafio que agora se apresenta.

“Durante estes 10 anos, Lisboa vai saber as oportunidades para atrair investimento e emprego e ser uma cidade de referência nos serviços, em particular nas áreas tecnológicas”, previu Fernando Medina.


Uma nova FIL

Para ganhar a Web Summit durante 10 anos, Lisboa teve de se comprometer a criar as condições necessárias.

“Não tínhamos instalações e por isso, o que fizemos, foi pôr mãos à obra, pôr-nos ao trabalho, mobilizar sinergias e construir uma proposta de como este complexo pode crescer”, disse o presidente da Câmara da capital.

Fernando Medina diz que se fez o “o exercício ao contrário: como vamos criar as instalações para podermos concorrer, ganhar e procurar novos eventos, novas formas de rentabilizar estas instalações”, em vez de desistir por não existirem as condições.

O autarca recordou, a propósito, “o espírito de transformação com que a Expo 98 foi feita”.

“É quando pensamos, não nas impossibilidades, mas nos futuros que queremos construir”, resumiu.

Na sua intervenção, o fundador da Web Summit, Paddy Cosgrave, agradeceu aos restantes candidatos, mas disse que o seu coração “está em Lisboa”.

“Tem sido um longo caminho. Quando vemos que as maiores economias da Europa, como Itália, Espanha, França, Alemanha e Reino Unido querem mesmo a nossa presença, eu tenho de agradecer a todos pelo tempo que gastaram. Agradecer a Theresa May e Pedro Sanchez, que fizeram propostas excelentes. Foram muito profissionais e tenho de agradecer isso. Mas, no final, o meu coração e o da minha equipa está em Lisboa e conseguimos que resultasse. Portanto, acho que vamos construir um futuro incrível aqui”, afirmou.

A Web Summit realizou-se pela primeira vez em Lisboa há dois anos.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Anonimo
    03 out, 2018 12:57
    Entretanto, continua a criação de empregos de baixos salários, hospitais sobrelotados, transportes que não funcionam. Siga a festa digital
  • Filipe
    03 out, 2018 évora 11:32
    Daqui a dois a três anos após a primeira , quero que publiquem o sucesso das empresas aí criadas . Não passa senão de lavagem cerebral tipo Igreja Universal do Reino de Deus e depois a colagem de outras empresas para através das pequenas sugarem uns euros na Europa , depois fecham .