Tempo
|

Vinte e um mortos em ataques contra cristãos na Nigéria e no Quénia

30 abr, 2012

Vaticano condena mais este atentado “horrível” e pede que as pessoas não caiam no ciclo vicioso de “ódio homicida”.

Vinte e um mortos em ataques contra cristãos na Nigéria e no Quénia
Pelo menos 15 pessoas morreram e dezenas ficaram feridas em mais um atentado contra cristãos na Nigéria.

O ataque visou um auditório universitário que estava a ser usado por uma congregação cristã na cidade de Kano, no Norte maioritariamente muçulmano da Nigéria.

O ataque terá sido levado a cabo pelo grupo terrorista islâmico Boko Haram, que é responsável por centenas de mortes de políticos, militares, polícias e cristãos naquela região da Nigéria.

Vários homens chegaram à universidade montados em motorizadas e lançaram bombas caseiras para dentro do auditório, atirando depois sobre as pessoas que saíam a correr de lá do edifício.

As autoridades confirmam pelo menos 15 mortos e dão conta ainda de dezenas de feridos.

O Vaticano não perdeu tempo em condenar mais este atentado. O porta-voz da Santa Sé, padre Federico Lombardi, falou num atentado “horrível” que merece a condenação “mais veemente possível”. O padre Lombardi pede, contudo, que se evite entrar num ciclo vicioso de “ódio homicida”, uma vez que no passado ataques do género tem sido sucedidos por retaliações contra muçulmanos noutros pontos do país.

A Nigéria está dividida mais ou menos a meio em termos religiosos. No norte vivem sobretudo muçulmanos, que compõem pouco mais de metade da população do país, e no Sul vivem sobretudo cristãos. Os cristãos são vítimas frequentes de ataques no Norte e, no meio do país onde as duas comunidades convivem em maior número, tem havido vários casos de conflito nos últimos anos.

Um segundo ataque, no Quénia, causou a morte a mais sete cristãos. Um homem lançou uma granada para dentro de uma igreja lotada, fazendo ainda vários feridos.

O Quénia é maioritariamente cristão, mas a hostilidade com a Somália tem levado a ataques anteriores e é possível que este atentado esteja relacionado com esse facto.