Tempo
|

Bispos portugueses “completamente disponíveis” para acolher refugiados

07 set, 2015

Aos bispos portugueses Francisco esclareceu que não se espera que as famílias recebam outras nas suas casas, mas que se responsabilizem por elas ajudando a garantir alojamento e condições de vida.

O Papa pretende que em cada paróquia, pelo menos, uma família cristã se possa responsabilizar por uma família de refugiados, com o objectivo de acompanhar a sua integração. O desejo de Francisco foi explicado, esta segunda-feira, aos bispos portugueses que recebeu no Vaticano.

O acolhimento dos que procuram refúgio na Europa foi um dos temas abordados no encontro, em que os bispos transmitiram a total disponibilidade da Igreja portuguesa para ajudar.

Segundo o Patriarca de Lisboa, os bispos estão “completamente disponíveis. E foi muito bom que lhe tivéssemos feito essa referência, porque ele depois esclareceu: ‘Quando eu digo o acolhimento paroquial, quero dizer que o ideal seria que em cada paróquia uma família tomasse conta de uma família imigrante. Não quer dizer pô-la na sua casa ou levá-la para a residência paroquial, mas sim garantir condições de alojamento e de acompanhamento, família a família.”

“No que diz respeito às nossas famílias católicas faremos todo o possível para estar com elas nesse sentido”, garante D. Manuel Clemente.

As declarações do Papa aos bispos portugueses foram feitos no contexto da visita ad limina a Roma, que se realiza, supostamente, de cinco em cinco anos. Francisco falou esta segunda-feira a todos os bispos, a quem alertou para a necessidade de a Igreja portuguesa fazer mais para cativar os jovens.