Tempo
|

Seis presos libertados de Guantanamo

07 dez, 2014

Quatro sírios, um tunisino e um palestiniano foram acolhidos pelo Uruguai. É o maior grupo a ser libertado desde 2009.

Seis presos libertados de Guantanamo
guantanamo

Seis homens foram libertados este domingo da prisão norte-americana de Guantanamo, depois de mais de uma década em cativeiro, anunciou o Pentágono.

O grupo, formado por quatro sírios, um tunisino e um palestiniano, é o maior a deixar o campo de detenção para suspeitos de terrorismo desde 2009.

Foram libertados este domingo e viajaram num avião militar norte-americano para o Uruguai, onde vão ser reintegrados na sociedade.

À chegada a Montevideo, foram levados para o um hospital para realizar exames médicos, disse à agência Reuters uma fonte oficial norte-americana.

“Estamos muito agradecidos ao Uruguai por esta importante acção humanitária”, disse o enviado do Departamento de Estado a Guantanamo, Clifford Sloan, que negociou o acordo com as autoridades de Montevideo.

“O apoio que estamos a receber dos nossos amigos e aliados é crítico para alcançarmos o objectivo partilhado de encerrar Guantanamo e esta transferência é um marco importante”, salientou Clifford Sloan, em comunicado.

Com a libertação destes seis presos, o campo de Guantanamo passou a ter 136 reclusos.

Quando tomou posse, há quase seis anos, o Presidente norte-americano, Barack Obama, prometeu encerrar a prisão de Guantanamo, situada numa base militar em Cuba.

Barack Obama considerada que o campo de detenção, que recebeu centenas de suspeitos de terrorismo depois dos ataques de 11 de Setembro de 2011, é prejudicial à imagem da América no mundo.

No entanto, o Presidente ainda não conseguiu cumprir a sua promessa, em parte devido aos obstáculos levantados pelo Congresso dos Estados Unidos.

Portugal recebeu dois presos de Guantanamo, em 2009. Tratam-se de dois homens de nacionalidade síria que tinham sido detidos na fronteira entre o Afeganistão e o Paquistão, após os atentados de 11 de Setembro.

[notícia actualizada às 12h48]