Tempo
|
A+ / A-

Ténis

Djokovic retido à entrada da Austrália por problemas com o visto

05 jan, 2022 - 16:14 • Redação com Lusa

Tenista sérvio vai disputar o Open da Austrália com "isenção médica" da obrigação de estar vacinado contra a Covid-19.

A+ / A-

Novak Djokovic viu travada a sua entrada na Austrália, esta quarta-feira, alegadamente por problemas burocráticos com o visto com o qual se apresentou no aeroporto de Melbourne.

O tenista sérvio, que viajou para disputar o Open da Austrália, beneficiando de uma "exceção médica" que o isenta da obrigação de estar vacinado contra a Covid-19, está retido na capital, supostamente porque o tipo de visto solicitado não contempla isenções médicas.

Segundo os media australianos, o número um do ténis mundial não terá preenchido o formulário correto para o tipo de visto que solicitou.

Segundo o jornal "The Australian", Djokovic está a tentar entrar no país com um visto de trabalho, que "exigia a concordância do governo do estado de Vitória", de que Melbourne é a capital.

A ministra de Estado de Victoria, Jaala Pulford, disse no Twitter que as autoridades que representa se recusaram a apoiar o pedido de visto com a dita exceção médica.

“O governo federal questionou se vamos apoiar o pedido de visto do Novak Djokovic para disputar o Open da Austrália e não o vamos fazer. Sempre dissemos que os vistos são uma questão do governo e que as isenções médicas são da responsabilidade dos médicos”, esclareceu.

O jornal "The Age" noticia que a equipa do sérvio tinha pedido "o tipo errado de visto", mas que, ainda assim, teria permissão para sair do avião e que esta situação apenas atrasaria a sua entrada no país.

Por sua vez, a ministra de assuntos internos, Karen Andrews, disse, em comunicado, que “qualquer indivíduo que pretenda entrar na Austrália deve cumprir rígidos requisitos de fronteira”.

Na terça-feira, Djokovic anunciou a sua partida para a Austrália para disputar o primeiro Major do ano, que decorre entre 17 e 30 de janeiro, graças à obtenção da dita exceção médica, cujos motivos de atribuição nunca foram explicados. Algo que provocou fortes críticas em todo o país, desde os media ao mundo político e comunidade desportiva.

O caso chegou ao primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, que garantiu que seriam exigidas explicações sobre a “isenção médica” para entrar no país sem provar o seu status de vacinação, sob pena de Djokovic ser mandado "para casa no primeiro avião".

O diretor do torneio, Craig Tiley, também pediu a Novak Djokovic que revelasse o motivo da sua exceção. Porém, sublinhou que "ninguém está ou irá receber tratamento especial por causa de quem são ou do que conseguiram profissionalmente".

Saiba Mais
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Luis Espírito Santo
    05 jan, 2022 Rio tinto 23:02
    Eu nem perdia tempo. Fosse eu o Djoko já me tinha vindo embora. Precisa mais o Open da Austrália do Djoko que o Djoko precisa do Open. Exemplo disso e a pobreza de tênis que esta a ser apresentado nos torneios que, de momento, decorrem na Austrália

Destaques V+