Tempo
|
A+ / A-

Ténis

Acontecer Estoril Open já é um "orgulho" para a organização

26 abr, 2021 - 12:02 • José Barata com Redação

João Zilhão tem a esperança de que João Sousa possa voltar a brilhar no pó de tijolo do Clube de Ténis do Estoril.

A+ / A-

O simples facto de acontecer Estoril Open já deixa João Zilhão "orgulhoso". Depois do cancelamento do evento em 2020, devido à pandemia de Covid-19, o responsável pela organização do maior torneio de ténis português manifesta toda a felicidade por ver a prova em andamento.

"Estou extremamente orgulhoso por a prova ter começado, nestas condições tão difíceis de organizar um evento em tempo de pandemia. Muito contentes, depois do cancelamento do ano passado", diz João Zilhão, em entrevista à Renascença, no dia em que arrancam os jogos do quadro principal.

João Sousa, o número um nacional, melhor tenista português de todos os tempos, entra em campo na terça-feira, frente ao britânico Cameron Norrie. Sousa, de 32 anos, caiu do "top-100" mundial, não está no seu melhor momento de forma, mas a esperança é de que a posso retomar no torneio que venceu em 2018.

"Espero que o João Sousa volte a brilhar e que seja mais uma edição histórica", sublinha o organizador do evento.

O grande destaque do "qualifying", que decorreu durante o fim de semana, foi Nuno Borges. O maiato, 331 do "ranking", conseguiu apurar-se, pela primeira vez na carreira, para o quadro principal de um torneio ATP.

"Tivemos um português a brilhar no 'qualifying' e esta semana temos grandes tenistas a jogar no Estoril", salienta João Zilhão.

O Estoril Open acontece sem público nas bancadas, devido à pandemia de Covid-19, mas todos os jogos do quadro principal têm transmissão televisiva. O a final do torneio está agendada para domingo, 2 de maio.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+