A+ / A-

Diretor do Rio Ave critica "pai irresponsável" no caso da criança em Famalicão

12 set, 2022 - 23:22 • Redação

Vítor Ramos diz que um jogo de futebol "é um evento privado, sujeito a regras" e afirma que os adeptos "são capazes de tudo pelo 'seu' Benfica, Porto, Sporting e o constante desafio à autoridade e às regras que o português mesquinho tanto gosta".

A+ / A-

O diretor de comunicação do Rio Ave, Vítor Ramos, critica um "pai irresponsável" no caso da criança que foi obrigada a retirar a camisola do Benfica por estar numa zona de acesso exclusivo a sócios do Famalicão, no jogo do último sábado.

"Grande parte dos clubes adoptou a regra de proibição de entrada de adereços do visitante por duas grandes razões: a) segurança. Sim, segurança. Aquela palavra tão cara que exigem sempre aos clubes de futebol. Imaginem o que é termos uma bancada destinada ao visitado e de repente termos gente no meio com outras cores. Só quem nunca foi ao futebol duvida das escaramuças que isto gera. b) garantir ou pelo menos tentar que uma bancada destinada ao visitado seja mesmo para o visitado, lutando contra a invasão que estes visitantes costumam sempre tentar", começa por dizer.

Vítor Ramos diz que "ninguém obrigou aquele pai a ir para uma bancada de sócios do Famalicão. Foi, porque quis".

"Forçou a entrada no estádio, com um filho vestido com uma camisola do visitante. Não satisfeito com a indicação profissional do assistente de recinto desportivo, e como pai extremoso e responsável que é, tentou desafiar a autoridade e chamou um polícia. Polícia que fez o seu trabalho e alertou o pai de que tinha de cumprir as regras do promotor do evento", prossegue.

O dirigente recorda que um jogo de futebol "é um evento privado, sujeito a regras" e culpa o pai pela situação em que o filho assistiu à partida.

"Como pai super responsável, tirou a camisola ao filho. Sim, foi ele que meteu a criança nessas condições, e fê-lo entrar assim no estádio à sua responsabilidade. Já lá dentro, desafiou a autoridade de ARD e Polícia, tentando vestir novamente a camisola ao filho", atira.

Vítor Ramos acredita que se deveria "discutir a qualidade da formação cívica em Portugal", porque falta " cultura desportiva e cidadania a este nosso povo".

"Percebem agora porque não se pode deixar entrar certa gente, para certos locais? São capazes de tudo pelo "seu" Benfica, Porto, Sporting e o constante desafio à autoridade e às regras que o português mesquinho tanto gosta", termina.

O presidente da Liga, Pedro Proença, lamentou o caso nas redes sociais. Para o dirigente, “não é este o Futebol que queremos”.

O Benfica repudiou o caso, tal como o secretário de Estado do Desporto, que afirma que "a criança foi vítima de intolerância implacável num estádio de futebol por parte de representantes do promotor do jogo. Foi ainda submetida à indignidade de ficar semi-despida para que pudesse continuar a assistir ao jogo. Este incidente impõe o maior protesto. As entidades envolvidas têm de prestar esclarecimentos pelo sucedido".

A Liga de clubes vai debater o incidente ocorrido em Famalicão com os diretores dos clubes.

O desafio da sexta jornada da I Liga foi vencido pelo Benfica, por 1-0, com um golo de Rafa, que permitiu que os encarnados continuassem a lidera o campeonato em solitário, com o pleno de 18 ponto

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Pedro
    13 set, 2022 Carnide 16:12
    Acho muito correta esta posição. Há regras claras e bem estabelecidas, e.o pão da criança conhecia certemte. A regra não manda que a pessoa não leve a camisola da cor A ou B, mas sim adereços da equipa visitante. Em vários estadios das equipas chamadas "pequenas" isso acontece e nunca houve problemas destes.
  • CTavares
    13 set, 2022 OAZ 08:58
    Como é possivel um dirigente, defender o que se passou em Famalicão e falar em falta de "cultura desportiva" dos adeptos??? Qual é a cultura desportiva deste dirigente? Será que se refere á sua falta de cultura desportiva?! O Famalicão que não venda bilhetes sem ser a sócios, e caso este senhor seja socio do famalicão, acho que pode ir vestido com a roupa que quiser, uma camisola vermelha sem o simbolo do benfica já era permitida? Estas pessoas com a escola do Sr. Costa, são a desgraça do futebol...
  • Petervlg
    13 set, 2022 Trofa 07:22
    Enquanto existir pessoas, como este dirigente, está tudo dito. O desporto não é isto, isto é a vergonha do desporto, pessoas como este dirigente deveriam ser irradiados do desporto. Seja sério!
  • Anonimo
    13 set, 2022 Porto 06:49
    Acho lamentável que o diretor do Rio Ave venha armado, cheio de moral e devia estar calado, pois se fosse com um criança dos rivais diretos, queria ver se tinha coragem de falar assim e já agora esse senhor esquece que o Rio Ave deitou em tempos uma bancada abaixo e na altura de receber o Benfica criou uma bancada amovível, e perante isto o senhor Vítor Ramos não passa de uma pessoa sem carater e vir defender o indefensável e vai ser processado pelo pai por calunias e espero que prove aquilo que disse, pois se não o provar está sujeito a sofrer as consequências como qualquer cidadão

Destaques V+