Tempo
|
A+ / A-

Qatar 2022

Banido do Mundial 2022 adepto que invadiu relvado no Portugal-Uruguai

29 nov, 2022 - 17:19 • Redação

Mario Ferri, conhecido por protestos semelhantes, invadiu o campo com uma bandeira arco-íris e um par de causas na camisola.

A+ / A-
Foto: REUTERS/Dylan Martinez
Foto: REUTERS/Dylan Martinez
Foto: REUTERS/Dylan Martinez
Foto: REUTERS/Dylan Martinez

O adepto que invadiu o relvado durante o Portugal-Uruguai com uma bandeira arco-íris foi banido dos restantes jogos do Mundial 2022.

Em comunicado, esta terça-feira, a FIFA confirma que o italiano Mario Ferro, conhecido como Falcão, foi libertado sem qualquer sanção judicial, mas não voltará aos estádios do Campeonato do Mundo do Qatar.

"Após a invasão de campo na última noite [segunda-feira], durante o jogo entre Portugal e Uruguai, podemos confirmar que o indivíduo envolvido foi libertado logo após ter sido removido do campo. A sua embaixada foi informada. Como consequência das suas ações, e como é habitual, o seu 'Hayya Card' [entrada para adeptos nos estádios do Mundial] foi cancelado e ele foi proibido de estar em mais jogos neste torneio", lê-se.

Já esta segunda-feira, o governo italiano tinha anunciado que Mario Ferro, de 35 anos, tinha sido "libertado pelas autoridades sem restrições".

Mario Ferri já tem um historial de invasão de relvados, tendo entrado em campo no jogo entre a Bélgica e os Estados Unidos, do Mundial 2014, no Brasil, com uma camisola que dizia: "Salvem os filhos da favela".

Ao minuto 61 do encontro Portugal-Uruguai (2-0), do grupo H, "Falcão" invadiu o relvado do Estádio de Lusail, agitando uma bandeira com as cores do arco-íris. Também vestia uma "t-shirt" com a inscrição "Respect for iranian woman [respeito para as mulheres iranianas]" na parte de trás e "Save Ukraine [salvem a Ucrânia]" na parte da frente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+