Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

Mundial 2022

Adepto invadiu relvado do Portugal-Uruguai com bandeira LGBTQ+

28 nov, 2022 - 21:19 • Lusa

Homem entrou no terreno, agitando uma bandeira com as cores do arco-íris, e uma "t-shirt" com a inscrição "Respect for iranian woman [respeito para as mulheres iranianas]" na parte de trás e "Save Ukraine [salvem a Ucrânia] na parte da frente.

A+ / A-
A bandeira LGBTQI+ esteve sob os holofotes do Mundial do Qatar
A bandeira LGBTQI+ esteve sob os holofotes do Mundial do Qatar

Um adepto invadiu o relvado do Estádio de Lusail, durante o Portugal-Uruguai, carregando uma bandeira multicor, em apoio à comunidade LGBTQ+.

Ao 61.º minuto de jogo, o homem entrou no terreno, agitando uma bandeira com as cores do arco-íris, e uma "t-shirt" com a inscrição "Respect for iranian woman [respeito para as mulheres iranianas]" na parte de trás e "Save Ukraine [salvem a Ucrânia] na parte da frente.

Apesar de ainda ter conseguido escapar ao primeiro segurança e alcançar o meio-campo, o homem acabou por ser detido e retirado do recinto.

Como é habitual em situações semelhantes, a transmissão televisiva tentou evitar que o homem surgisse no plano, mas o adepto passou junto ao árbitro, tendo sido percetível a mensagem. De seguida, o árbitro pegou na bandeira e tirou do relvado, momento mais uma vez captado nas câmaras.

Desde que foi escolhido para organizar o Mundial de futebol, que se iniciou em 20 de novembro e decorrerá até 18 de dezembro, o Qatar tem sido alvo de várias críticas, nomeadamente no que diz respeito às suas posições em matéria de direitos humanos, das questões LGBTQ+ e de abuso sobre os trabalhadores migrantes.

Perante este contexto, algumas federações uniram-se em setembro na vontade de se expressarem com a iniciativa "One Love", defensora de igualdade, em que eram apologistas do uso simbólico de uma braçadeira com a inscrição e as cores do arco-íris, mas a FIFA avisou não ser possível.

Ao que tudo indica, o invasor de campo trata-se de Mario Ferri, jogador de futebol italiano, que já em várias ocasiões invadiu relvados com o mesmo objetivo.

Em 2010, entrou no relvado num jogo da Liga dos Campeões entre Real Madrid e AC Milan com a mensagem "Libertem a Sakineh", mulher que arriscava pena de morte no Irão. Em 2014, invadiu um jogo do Mundial 2014, no Brasil, com a mensagem "salvem as crianças das favelas".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+