|
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Tribunal de Contas e incêndios - 04/12/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Tribunal de Contas e incêndios - 04/12/2019

​Defesa municipal da floresta arrasada. “Presidente da República tem de tomar posição”

04 dez, 2019 • Miguel Coelho , Cristina Nascimento


Comentadores da Renascença analisam relatório do Tribunal de Contas sobre os planos municipais de prevenção e combate aos incêndios.

O comentador da Renascença Henrique Raposo considera que o “Presidente da República tem de tomar uma posição”, na sequência do relatório do Tribunal de Contas sobre a ineficácia dos planos municipais de defesa da floresta.

“O relatório do Tribunal de Contas é muito duro e o Presidente da República foi muito claro, em 2017, que ele iria fiscalizar ao pormenor tudo o que estava relacionado com os incêndios e com o estado de emergência em que o país fica com os incêndios”, recorda Raposo.

O comentador elogia o documento, considerando que o “Tribunal de Contas faz um trabalho espantoso de fiscalização dos poderes em Portugal”.

Contudo, Raposo lança ainda um repto aos autarcas. “Se poupassem nas festas idiotas que fazem no verão e aplicassem esse dinheiro no combate aos incêndios, era um bom passo”, rematou.

Já o escritor Jacinto Lucas Pires considera que um dos aspetos que fica patente com o documento é que “há condições muito diferentes entre os municípios em termos de meios, pessoas e organização”.

Lucas Pires destaca ainda que “é preocupante a falta de condições e meios de combate e prevenção dos incêndios”.

Um relatório do Tribunal de Contas arrasou planos municipais de defesa da floresta, depois de ter detetado falhas no planeamento, na execução e no controlo da atribuição das verbas.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.