Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Taxas moderadoras e cartazes eleitorais - 24/06/2019
Jacinto Lucas Pires e Henrique Raposo - Taxas moderadoras e cartazes eleitorais - 24/06/2019

H. Raposo

"Uma cidade feia e desarrumada cria pessoas feias e desarrumadas"

24 jun, 2019


Henrique Raposo e Jacinto Lucas Pires comentam esta segunda-feira a questão dos cartazes eleitorais que perduram e o fim, ou não, das taxas moderadoras na saúde.

Passou um mês das eleições europeias e ainda há cartazes de propaganda política pelo país. A lei não obriga ninguém a retirá-los.

“Acho que devia haver prazos, até porque nós funcionamos melhor com prazos”, defende Jacinto Lucas Pires. “E devia haver fiscalização, com multas e sanções”, acrescenta.

Já Henrique Raposo tem uma posição dupla sobre o assunto. “Por um lado, percebo a questão da estética e da limpeza das cidades. E uma cidade feia e desarrumada cria pessoas feias e desarrumadas”.

“Mas depois também me parece que há aqui um lado levemente populista. Somos uma democracia e não há democracia sem partidos e os partidos têm cartazes”, acrescenta, para concluir: “não é assim tão grave quanto isso”.

No que toca ao eventual fim das taxas moderadoras na saúde, Henrique Raposo é bem mais assertivo.

“Os portugueses vão demasiado ao médico quando não é preciso. A taxa moderadora tem o efeito de filtragem, que é fundamental para juntarmos dinheiro para aplicarmos onde é de facto preciso”, defende.

Jacinto Lucas Pires distingue “a questão de fundo da questão tática do PS”. Nesta segunda-feira, e depois de aprovado o fim daquelas taxas no Parlamento, oPS anunciou que, afinal, vai votar contra na votação final e que irá tentar convencer o PSD a fazer o mesmo.

“Isso mostra o que será um PS que terá de negociar à direita e à esquerda e pode dar estas soluções pouco claras, feitas de remendos à medida de maiorias que se vão conseguindo”, analisa.

“O PS corre o risco de ser um partido de centro, que é o lugar do vazio, onde neste momento está Rui Rio. Não sei se é isso que o PS quer”, resume Lucas Pires.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.