Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo
Um escritor, dramaturgo e cineasta e um “proletário do teclado” e cronista. Discordam profundamente na maior parte dos temas. À segunda e quarta, às 9h15
A+ / A-
Arquivo
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo - Refugiados sem água nem luz - 14/11/2018
Jacinto Lucas Pires-Henrique Raposo - Refugiados sem água nem luz - 14/11/2018
​H. Raposo

Refugiados em Portugal não podem ser “tratados como delinquentes”

14 nov, 2018


Três famílias de refugiados sírios em Miranda do Corvo ficaram sem água, nem luz em casa, por falta de pagamento das contas.

O comentador da Renascença Henrique Raposo diz que não compreender o caso dos refugiados sírios que vieram para Portugal há um ano e meio e a quem agora foi cortada a luz e água em casa, por falta de pagamento das contas.

“São nossos convidados, não só de Miranda do Corvo, mas de Portugal. Não compreendo como é que passado só um ano e meio são tratados como delinquentes e vai alguém cortar a água como a GNR”, disse.

Em causa estão três famílias de refugiados sírios instalados em Miranda do Corvo que esta segunda-feira ficaram sem água e eletricidade nas casas que habitam por ordem da Fundação Assistência para o Desenvolvimento e Formação Profissional (ADFFP), proprietária das habitações.

“É preciso perceber que o processo de integração é lento e difícil, relembra o escritor Jacinto Lucas Pires, sublinhando que estas famílias são compostas por pessoas “que saíram de um cenário de guerra, perderam tudo e têm que se reinventar noutro lugar”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Hades
    14 nov, 2018 barreiro 17:09
    "(...)"É preciso perceber que o processo de integração é lento e difícil, (...)" É sim sr. Por isso tiveram ano e meio, para encontrarem trabalho, e integrarem-se na sociedade. Eu para ter casa, luz, gás, saúde, tenho que pagar os meus impostos e trabalhar. Se não pagar, é-me retirado tudo!!! Portanto não vejo qual o "errado" nisso. Não dão aos nossos, para darem a essas pessoas de fora!
  • A. Silva
    14 nov, 2018 Sertã 11:54
    Pois não. Em vez disso e se fossem tratados como são tratados os Portugueses na França, na Alemanha, no Reino Unido e principalmente na Suíça?? Sim, na suíça. Se não sabem ficam a saber que na Suíça só tem direito a lá estar quem TRABALHAR! Na Suíça se algum Português ficar sem dinheiro para pagar as contas, simplesmente é recambiado para Portugal. Porque em Portugal é que há governos a oferecer casa, comida e cigarros a quem não faz nada!!