D. Manuel Clemente. “Não é por não darmos o gesto da paz fisicamente que o deixamos de o dar no coração”

30 mai, 2020 - 13:50 • Pedro Filipe Silva

É com expectativa positiva, mas com cautela, que o cardeal patritarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, vê a retoma das celebrações com a presença física de fiéis. Em declarações, este sábado, à Renascença, D. Manuel apela à prudência, recordando que a pandemia ainda não acabou, e alerta, ainda, para o perigo de surgimento de nova vagam se as regras sanitárias não forem cumpridas. O cardeal patriarca admite que alguns ritos, como o "abraço da paz", podem desaparecer. "O gesto da paz que era entre nós muito efusivo, terá de ser necessariamente menos efusivo. Também não é por causa de nos privarmos de o dar assim fisicamente que deixamos de o dar no coração, desejando a todos essa paz que vem de Cristo", sublinha o cardeal patriarca de Lisboa.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor

Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.