Morte sem adeus. Como os funerais de Covid-19 transformam o luto

18 abr, 2020 - 18:35 • Joana Bourgard

Morreram 155 pessoas por Covid-19 durante o fim-de-semana de Páscoa. Nesses cinco dias, foi proibida a circulação de pessoas entre concelhos, excepto por motivos profissionais. No funeral que a Renascença acompanhou, a família, com residência fora de Lisboa, não pôde despedir-se. Durante a Páscoa, houve mais 1552 mortes não relacionadas com a doença, mas todas as celebrações estão condicionadas a um limite máximo de tempo e de acompanhantes.​ Na Aldeia Galega da Merceana, na Região do Oeste, há mais de um mês que o sino deixou de tocar durante os funerais.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Reportagem
Eu Eleitor hyper

Eu, eleitor

Retratos do país que vota

Que país é este que vai às urnas? Até às eleições legislativas, a Renascença apresenta retratos de 18 eleitores dos círculos eleitorais de Portugal continental, olhando as características e dificuldades de cada distrito.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.