|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

DGS valida. Doentes internados com Covid-19 podem ser tratados com medicamentos para ébola e malária

26 mar, 2020 - 11:13 • Maria João Cunha

Não há atualmente medicamentos autorizados para tratamento de Covid-19. ​DGS validou o uso de cloroquina, remdesivir e outros antivirais no tratamento do novo coronavírus em situações específicas.

A+ / A-

A Direção-geral da Saúde aprovou o uso de alguns antivirais que têm sido apontados como esperanças no combate à Covid-19, de acordo com uma norma publicada no seu site.

No documento, que determina a abordagem aos doentes nesta nova fase de mitigação, refere-se que, “à data”, podem ser “equacionadas terapêuticas antivirais” em pacientes internados. A administração dos fármacos deve ser feita de acordo com uma série de critérios e sempre dependendo de avaliação clínica.

A DGS sublinha também que não há atualmente medicamentos autorizados para tratamento de Covid-19, e que, de entre os candidatos terapêuticos, “considerando o conhecimento científico atual e as recomendações da OMS”, são estes que se encontram em investigação.

Para doentes em enfermaria, podem ser considerados cloroquina ou hidroxicloroquina e lopinavir/ritonavir, se os doentes apresentarem insuficiência respiratória e evidência radiológica de pneumonia, ou, no caso das crianças, se apresentarem algumas doenças prévias.

Para todos os doentes em unidades de cuidados intensivos, mais graves, acrescenta-se a possibilidade de adicionar o remdesivir. Teresa Leão esclarece à Renascença que a utilização destes medicamentos "depene muito da abordagem de pessoa para pessoa, de médico para médico". "A evidência ainda não é necessariamente muito conclusiva, mas aquilo que tem vindo a ser dito é que talvez haja resultado no caso de tratamento de situações graves da Covid-19", explica.

Apesar desta possibilidade conferida aos médicos portugueses para tratamento da doença, a investigadora do ISPUP e médica de saúde pública, sublinha que é necessário "ter a noção de que numa grande parte dos casos isto é uma doença bastante leve, que não carece de outro tratamento que não seja o equivalente ao utilizado numa gripe normal".

A sua utilização será, sublinha, sempre ponderado, "porque se trata de medicamentos que trazem alguns efeitos adversos". "O seu uso será, com toda a certeza, sujeito a uma supervisão clínica muito grande", acrescenta.

Doentes podem ter acesso a medicamento experimental

Remdesivir é um antiviral intravenoso de largo espectro, ainda em fase de testes, criado pela farmacêutica norte-americana Gilead Sciences em 2014, como potencial tratamento para o ébola. Ainda não está aprovado em nenhum país do mundo para nenhum uso.

Sendo experimental, segundo a própria Gilead, o remdesivir “não tem segurança ou eficácia confirmada para o tratamento de nenhuma doença”, mas os testes “in vitro” e “in vivo” em animais mostram bons resultados contra a MERS e SARS, ambas da família dos coronavírus e, por isso, acredita-se que poderá ter “potencial” contra a Covid-19.

A farmacêutica continua os testes clínicos e abriu “acesso de emergência” fora destes testes na sequência da pandemia. Mostra-se interessada em acelerar o acesso ao medicamento para pacientes gravemente doentes, em coordenação com as autoridades reguladoras de países de todo o mundo, para permitir também recolha de mais dados para o estudo clínico do fármaco.

A DGS esclarece, na norma agora divulgada, que para ter acesso a este medicamento, o médico assistente do doente tem de submeter um pedido através do portal da farmacêutica, que depois avalia, caso a caso, se o doente cumpre os critérios de inclusão. Após aprovação, o Infarmed tem ainda de autorizar a sua utilização excecional.

Nos Estados Unidos, o remdesivir surge envolto em polémica, depois de a FDA, agência federal que regula a indústria farmacêutica, ter concedido benefícios financeiros e exclusividade de acesso ao mercado, caso o fármaco venha a ser aprovado.

O fármaco começou a ser testado contra o novo coronavírus na China, em fevereiro, mais recentemente nos Estados Unidos, e faz parte dos testes clínicos promovidos em vários países pela OMS, mas não há ainda evidência científica de que é eficaz.

Cloroquina e antivirais usados no VIH estão disponíveis

Lopinavir/ritonavir é uma combinação de antivirais indicada para o tratamento do vírus da imunodeficiência humana (VIH/Sida). Segundo o Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC), num teste controlado feito na China, esta medicação não mostrou “qualquer efeito favorável no curso clínico ou na mortalidade, quando comparado com o tratamento padrão”.

Cloroquina ou hidroxicloroquina é um medicamento contra a malária, usado também em casos de artrite reumatoide e lúpus. O ECDC diz que este fármaco mostrou resultados nos testes “in vitro” e em algumas séries pequenas e pouco representativas de casos na China e na Europa e que, por isso, “continua a ser uma das terapêuticas possíveis que precisam de ser avaliadas”.

Em Portugal, ambos os medicamentos estão aprovados pelo Infarmed. Esta quinta-feira, a autoridade nacional do mediacamento lançou um alerta para possibilidade da existência de medicamentos falsificados na internet, no âmbito da pandemia de Covid-19, e apelou aos consumidores para comprarem apenas em sites autorizados. A Renascença procurou obter esclarecimentos adicionais por parte do Infarmed, até ao momento sem sucesso.

O Centro Europeu de Controlo de Doenças (ECDC) enumera como possibilidades a testar ainda mais candidatos terapêuticos do que os indicados pela DGS: acrescenta o ribavirin, interferão beta-1a e favipiravir.

Reforça que ainda não há ensaios clínicos controlados e aleatórios que permitam concluir a efetividade de todos estes medicamentos.

Testes clínicos à escala global

Nos últimos dias, a OMS anunciou um “solidarity trial” (ensaio clínico solidário), uma iniciativa sem precedentes que junta vários países no esforço de contribuir com dados robustos e de grande qualidade, com mais rapidez e volume, para validar as opções de tratamento.

Não há notícia da participação de Portugal neste estudo de larga escala, mas os medicamentos testados são os mesmos indicados agora pela DGS (excluindo a combinação de interferão beta-1a com lopinavir/ritonavir) e serão comparados com o tratamento atual, que apenas se dirige aos sinais e sintomas da doença.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, dizia, na segunda-feira, que “quantos mais países se juntarem a este e outros grandes estudos, mais depressa teremos os resultados sobre os medicamentos que funcionam e mais vidas poderemos salvar”.

Atualmente não há tratamento específico ou vacina contra a infeção por Covid-19, um vírus que pode provocar uma pneumonia bilateral e atacar os dois pulmões, nos casos mais graves. Os doentes críticos podem precisar de suporte respiratório e oxigénio. A ventilação pode ser não invasiva (com pressão negativa) ou mecânica. Portugal está agora a adquirir ventiladores para garantir capacidade de resposta à pandemia.


Nota: Não tome medicamentos sem indicação expressa do seu médico e não procure obtê-los na farmácia porque pode comprometer a sua disponibilidade aos doentes hospitalizados.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Joaquim Martinez
    26 mar, 2020 Porto 17:12
    Já tomei medicamentos contra a malária, que contem quinino, e me fizeram bastante mal tanto aos ouvidos como ao fígado, agora se bebo água tónica (sem gim) fico atrapalhado do fígado.