|

 Casos Ativos

 Internados

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Estudo sobre poluição de carros a gasóleo “não tem qualquer tipo de interesse”, diz ACP

13 jan, 2020 - 13:45 • Redação

A queda de vendas de carros a gasóleo está prestes a inverter-se, afirma Carlos Barbosa, com a chegada de híbridos a diesel.

A+ / A-

O novo estudo que indica que os novos carros a gasóleo são até mil vezes mais poluentes do que os normais, não merece credibilidade, considera o presidente da ACP, Carlos Barbosa.

O estudo é da autoria da Federação Europeia dos Transportes e Ambiente (FETA), uma organização que Carlos Barbosa descarta como sendo um “conjunto de ‘associações Zero’ em vários países”.

O dirigente do ACP diz que há estudos fiáveis que dizem precisamente o contrário. “Não diz onde foi feito o estudo, quem o fez ou como foi feito. Os estudos que nós temos, quer na Federação Internacional Automóvel, quer nas comissões de sustentabilidade, mostram precisamente o contrário, por isso este estudo para mim não tem qualquer tipo de interesse.”

O estudo da FETA, de que a Associação Zero faz parte, é baseado em análises feitas a dois carros, que serão os dois mais vendidos das suas respetivas categorias.

Confrontado com o facto de o número de vendas de veículos a gasóleo ter diminuído nos últimos anos, Carlos Barbosa contrapõe que essa tendência está prestes a alterar-se com a chegada de carros híbridos a gasóleo.

“Cada vez mais os carros híbridos plugin são o futuro. Por enquanto só existem carros híbridos plugin a gasolina, agora no Salão de Genebra vão aparecer carros baratos, plugin, a gasóleo, das marcas todas, e nessa altura o gasóleo vai voltar a ser mais vendido que a gasolina.”

O estudo da FETA já foi criticado também pela Associação de Comércio de Automóveis de Portugal (ACAP), que diz que se trata “uma questão de diabolização dos automóveis, em particular dos diesel”.

Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Joaquim C Pinto
    13 jan, 2020 ILHAVO 17:05
    Este não é o mesmo que culpa essencialmente o Governo pelo grande número de acidentes de viação?
  • 13 jan, 2020 15:51
    A cuercos " a zero e afins que vao fiscalizar as chamines das casas! E deixem de chatiar a cabeca das pessoas!