RR
|
A+ / A-

Crise na Catalunha

Empresários preocupados: "O que acontece em Espanha tem reflexos em Portugal”

18 out, 2019 - 16:51 • Pedro Mesquita

A Catalunha é a região espanhola que mais vende para Portugal e a segunda que mais compra. Se os tumultos se prolongarem, a desconfiança de há dois anos vai repetir-se.

A+ / A-

A alta tensão na Catalunha é já motivo de forte preocupação para os empresários espanhóis e portugueses, que recordam a desconfiança gerada em 2017, quando a região referendou a independência . Na altura, os investimentos caíram a pique, perante a incerteza.

Quanto mais tempo pode durar a instabilidade na Catalunha até que a tensão afete os negócios da região? Enrique Santos, presidente da Câmara de Comércio e Indústria Luso-Espanhola (CCILE), sublinha à Renascença que a Catalunha tem uma enorme importância económica para Portugal.

"Obviamente que esta situação é preocupante. Tudo o que acontece em Espanha tem reflexos em Portugal e muito particularmente na Catalunha, porque é a região espanhola que mais vende para Portugal e a segunda que mais compra”, explica.

O empresário põe números em cima da mesa: de janeiro a julho, a Catalunha vendeu a Portugal quase três mil milhões de euros em bens e produtos e comprou 1,1 mil milhões. “Esta crise ainda não está a abalar as transações porque ainda só começou há uns dias, mas, se se prolongar, é óbvio que a vamos sentir", admitiu. São estas as certezas da incerteza.

Gabriel Jimeno, um empresário catalão que faz parte da direcção da CCILE, conta à Renascença que, por agora, a instabilidade na Catalunha está a afetar sobretudo o turismo mas "ainda não teve grandes consequências no plano económico".

"Em 2017, quando um investidor tinha que ampliar capital ou fazer um novo investimento na Catalunha, tinha mais dúvidas e colocava mais perguntas. Logicamente que, quando isso acontece, o impacto é negativo. Naquela altura foi assim e seguiram-se dois anos de tranquilidade que permitiram recuperar a confiança. Mas se a situação que estamos agora a viver se prolongar no tempo seguramente que a desconfiança voltará a instalar-se", conclui.

O empresário espera que se possa “recuperar o diálogo entre as partes” para uma convivência em paz mas tem “algumas dúvidas” de que isso possa acontecer.

"Sigo estes acontecimentos com alguma preocupação. Há algumas derivas violentas na cidade e as pessoas de bem só podem estar apreensivas. Queremos que as coisas não se compliquem mais, mas ninguém sabe como irá isto acabar”, refere.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.