Tempo
|
A+ / A-

Debate da rádio

Henrique Raposo: "Rio parece o vice-primeiro-ministro de António Costa"

23 set, 2019 - 11:17 • Marta Grosso

Os comentadores Henrique Raposo e Jacinto Lucas Pires analisam o frente a frente entre Costa e Rio no último Debate da Rádio antes das legislativas de 6 de outubro.

A+ / A-

Reveja o debate aqui


Veja também:


“É bom ver líder do PSD mais forte” nos debates, “porque o que Rio mostra no dia a dia é fraco, não faz oposição e nos debates eleva-se um pouco”, considera Henrique Raposo, comentado da Renascença. Ainda assim, acrescenta Raposo, “parece o vice-primeiro-ministro do António Costa”.

Já Jacinto Lucas Pires divide o Debate da Rádio desta segunda-feira em dois momentos: “No primeiro ato, Rio parece ter ganhado com a cultura de promiscuidade do PS, mas depois zangou-se com a Graça Franco, uma das moderadoras, e ganhou um tom mais irritadiço e aí, gradualmente, António Costa tomou conta da peça.”

O frente a frente entre os líderes dos dois principais partidos foi moderado por Graça Franco (Renascença), Anselmo Crespo (TSF) e Natália Carvalho (Antena 1).

Os “Centenos” de cada um dos candidatos marcou um dos momentos do debate. Henrique Raposo considera que o que o ministro Mário Centeno socialista fez no seu mandato foi cumprir o programa do Gaspar e de Passos Coelho (PSD).

“Foi contra esse programa que António Costa fez campanha nas últimas eleições”, recorda, considerando por isso que tal pode ser “um problema” para o eleitorado PS.

Jacinto Lucas Pires discorda um pouco, considerando que o discurso da austeridade não colhe no atual Governo.

No campo da educação, Lucas Pires considera que “Rio meteu os pés pelas mãos e Costa acabou por ganhar”, porque fez “um discurso problemático da disciplina”, que explicou mal e isso “dá asneira”.

Era preciso que desse medidas concretas, defende o comentador. Essa concretização surgiu depois, nas declarações pós-debate aos jornalistas.

Henrique Raposo chama a atenção para o que António Costa disse sobre a autonomia das escolas. “Gostava de ver Rio a dizer o mesmo”, confessa.

O comentador assumido de direita considera que a autonomia das escolas foi “uma boa experiência destes quatro anos. O diretor tem de ter autonomia para adaptar a escola ao seu contexto”.

Mas houve temas em que o vencedor foi Rui Rio: o diferencial dos salários nas empresas e o “familygate”.

“A desigualdade salarial tem de ser debatida e acho interessante em anexar o diferencial à média europeia”, afirma Henrique Raposo.

Jacinto Lucas Pires concorda e destaca que esta “não é tanto uma questão ideológica de direita ou esquerda, é a ideia de que a economia precisa”.

Quanto ao “familygate”, “Costa defendeu-se como pôde, mas acho que Rio ganhou”, afirma Lucas Pires.

Rio esteve bem e Costa saiu-se mal, porque é um problema do PS. O PS tem um problema de nepotismo. Há quem chame ao partido ‘A família’”, destaca Henrique Raposo.

António Costa e Rui Rio estiveram frente a frente na Faculdade de Medicina Dentária, em Lisboa, num debate moderado por três rádios: Renascença, TSF e Antena 1.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Jota
    23 set, 2019 Aqui 13:52
    A verdade é que dava um excelente vice-primeiro-ministro de António Costa!
  • Virgilio antibes cas
    23 set, 2019 Serta 12:13
    Considero Antonio Costa demagogico e vendedor promessas e Rio Rio serio r honesto

Destaques V+