A+ / A-

"Não está fora de hipótese acabar com a greve", admite delegado sindical

15 ago, 2019 - 12:18 • Marta Grosso , Pedro Mesquita , Miguel Coelho Redação

Manuel Mendes, representante dos trabalhadores junto da refinaria de Leça da Palmeira, diz à Renascença que a suspensão da greve é uma hipótese. Dirigentes sindicais reunidos em Aveiras de Cima para definir novas estratégias.
A+ / A-

A greve dos motoristas de matérias perigosas pode ser suspensa "hoje ou amanhã", afirma à Renascença o delegado sindical Manuel Mendes, nesta quinta-feira.

“A greve vai ter de parar um dia”, diz o representante dos trabalhadores na refinaria de Leça da Palmeira.

“Não está fora de hipótese acabar ou hoje ou amanhã ou depois, mas, para já, não está nada definido”, acrescenta.

Diz Manuel Mendes que “a greve, da forma que está, não está a ter o impacto que devia por causa da pressão que temos tido pelas empresas e mesmo pela polícia”.

Resta agora aguardar pela decisão dos dirigentes sindicais, reunidos em Aveiras de Cima, junto à Companhia Logística de Combustíveis (CLC).

“Aguardamos. Estive a falar agora com o presidente do sindicato e eles estão a reunir-se neste momento com alguns colegas em Aveiras e vamos ver o que vai sair dessa pequena reunião e o que vamos fazer a seguir”, indica ainda o delegado sindical do Norte.

De manhã, o presidente do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMP) acusou a Antram de não querer negociar e preferir, assim, manter a greve. Ao seu lado nas declarações aos jornalistas, Pedro Pardal Henriques, porta-voz do sindicato, dizia que “a batalha estava ganha” e que as “cabeças pensantes iriam redefinir estratégias”.

A greve dos motoristas de matérias perigosas começou na segunda-feira, dia 12, e não sem data para terminar.


guialiga19_20_banner
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • José Joaquim Cruz Pinto
    15 ago, 2019 Íllhavo 14:10
    As "cabeças pensantes" em causa muito provavelmente não incluem a dele.