|
A+ / A-

Sindicato dos motoristas "desafia" Antram para reunião. "Caos vai aumentar" sem negociação

14 ago, 2019 - 16:09

"Estamos dispostos a alcançar um entendimento com cedências de parte a parte", afirma Pardal Henriques, que não desconvoca a greve iniciada na segunda-feira.

A+ / A-

Veja também:


O porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP), Pedro Pardal Henriques, desafia a Antram, associação que representa as empresas, para uma reunião, a ter lugar na quinta-feira, mas não desconvoca a greve, para já.

O repto foi lançado ao terceiro dia de paralisação dos motoristas de matérias perigosas e de mercadorias, que começou na segunda-feira.

“Lanço um desafio público à Antram. Amanhã, às 15h00, possa estar na DGERT [Direção-Geral do Emprego e das Relações de Trabalho] para falar connosco. Eu vou estar lá para nos sentarmos à mesa encontrarmos uma proposta que agrade às duas partes para terminar isto”, disse Pardal Henriques aos jornalistas, em Aveiras.

O porta-voz do SNMMP quer "fazer uma conciliação" com a associação que representa as empresas do setor. "Estamos dispostos a alcançar um entendimento com cedências de parte a parte", sublinhou.

O advogado e negociador do SNMMP defende que é preciso “terminar com esta palhaçada que está aqui a viver”. Se a paralisação continuar a responsabilidade é da Antram e do Governo, acusa Pardal Henriques.

“Se o dr. André Almeida e a Antram não tiverem a consciência daquilo que estão a provocar ao país e a estas pessoas e às suas famílias, e o Governo se não fizer o trabalho de incentivar a Antram a fazer terminar com esta palhaçada que se está aqui a viver, então a responsabilidade daquilo que virá daqui para a frente cabe exclusivamente à Antram, ao Governo e ao dr. André Almeida [advogado da Antram], que tem proferido expressões lamentáveis contra os motoristas”.

Sobre as consequências da greve, o porta-voz do Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas alerta que "a tendência é para piorar" e que "o caos venha a aumentar".

"O caos vai aumentar porque os postos vão ficar secos", declarou Pardal Henriques.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.