|

 Confirmados

 Suspeitos

 Recuperados

 Mortes

A+ / A-

Polémica continua. Há mais familiares de governantes que têm negócios com o Estado

31 jul, 2019 - 07:50 • Redação

As teias familiares nos negócios com o Estado voltam a marcar as capas dos jornais, depois do caso que envolveu o filho do secretário de Estado da Proteção Civil.

A+ / A-

Depois da polémica com o filho do secretário de Estado da Proteção Civil, surgem notícias de que existem outros membros do Governo com familiares que mantêm negócios com o Estado.

No “Observador” surgem nomes como os do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, cujo pai tem uma empresa de máquinas há mais de 40 anos e que terá celebrado contratos com institutos públicos.

À Renascença, o gabinete de Pedro Nuno Santos remete para o comunicado de António Costa.

Já conhecido era o caso do marido da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem. Eduardo Paz Ferreira já fez negócios públicos na ordem dos 1,4 milhões de euros. O advogado afirmou publicamente que não abdica desta área de negócio.

O primeiro caso foi conhecido na terça-feira. Em causa estão os três contratos que o filho do secretário de Estado da Proteção Civil, José Artur Neves, terá assinado depois de o pai assumir funções governativas. O governante declarou esta terça-feira que não teve qualquer influência nem estabeleceu qualquer contacto que pudesse resultar em expectativa de favorecimento pessoal.

Face à polémica, António Costa reconheceu ter dúvidas. O primeiro-ministro pediu um parecer ao conselho consultivo da Procuradoria Geral da República.

Sem mencionar casos, o governante quer esclarecer os possíveis impedimentos de empresas em que familiares de titulares de cargos políticos tenham uma participação superior a 10%. Costa considera que interpretação da lei que diz que governantes têm de se demitir ultrapassa o que tem sido a prática ao longo dos anos.

Um especialista ouvido pela Renascença diz ser claro que a atual Lei das Incompatibilidades impede que o filho de um titular de cargo público que tenha mais de 10% do capital, celebre contratos com o Estado.

A nova legislação sobre incompatibilidades dos titulares de cargos públicos foi publicada, esta quarta-feira, em Diário da República e entra em vigor na próxima legislatura.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Martins
    31 jul, 2019 LX 09:45
    Há aqui muita má vontade... ;-) Estão a querer penalizar as pessoas só porque são bons para a família? Mude-se a lei para que o bem maior que é a família seja protegido e as negociatas possam prosseguir o seu curso sem estes constantes atropelos propagados pelos media!
  • Petervlg
    31 jul, 2019 Trofa 08:56
    Não é melhor ter uma monarquia? pelo menos sabemos que é aquela família que "come" tudo e não estas manobras, encobertas e dissimuladas, quê este sábios políticos, fazem. se fosse no tempo do Marques de Pombal, ficava tudo resolvido, lá se ia a classe politica.