A+ / A-

Borba rezou pelas vítimas da derrocada. "Que não se voltem a repetir coisas destas”

22 nov, 2018 - 02:46 • Rosário Silva, com redação

A celebração foi presidida pelo arcebispo de Évora. D. Francisco Senra Coelho quis associar-se à dor de quem está em sofrimento. Deixou uma palavra de esperança e de conforto e destacou o papel importante dos operacionais no terreno.
A+ / A-
Rosario Silva - cerimonia religiosa Borba D21
Rosario Silva - cerimonia religiosa Borba D21

A Igreja do Senhor Jesus dos Aflitos, em Borba, foi pequena para acolher todos aqueles que, esta quarta-feira, quiseram estar na missa pelas vítimas, familiares e habitantes da região afetada pela tragédia da estrada 255.

A celebração foi presidida pelo arcebispo de Évora. D. Francisco Senra Coelho quis associar-se à dor de quem está em sofrimento. Deixou uma palavra de esperança e de conforto e destacou o papel importante dos operacionais no terreno.

D. Francisco Senra Coelho espera que sejam tiradas ilações para que não voltem a acontecer tragédias semelhantes.

“Afinal, percebemos que estas tragédias também são um apelo à atenção, a estarmos atentos à dimensão da segurança. Estamos a ser todos convocados para que não se voltem a repetir coisas destas”, sublinhou o arcebispo de Évora.

A Renascença falou também com o padre Ricardo Cardoso, pároco de Borba que esta quarta-feira visitou a família de uma das vítimas mortais da tragédia.

Mais do que as palavras é preciso saber ouvir quem está a viver momentos de verdadeira angústia.

“A população está tragicamente escandalizada com o que aconteceu. Muitos, se calhar, vivem dentro de si o pânico, porque estamos rodeados de pedreiras e de situações que, quiçá, poderão ser muito parecidas. Ao mesmo tempo, temos que ter uma palavra para os operacionais que estão a fazer o seu trabalho no terreno, nomeadamente os bombeiros de Borba que são sempre incansáveis”, refere o padre Ricardo Cardoso.

Apesar de consternada, a população não deixou de marcar presença na eucaristia desta quarta-feira ao final da tarde. "Muito doloroso", "desgraça que se abateu sobre a nossa terra", "as pessoas estão em pânico", "bastante chocado", "hoje não podia deixar sem vir" foram algumas das expressões utilizadas pelos habitantes de Borba para descrever o que estão a sentir.

A antiga estrada nacional 255, situada entre duas pedreiras, foi engolida segunda-feira à tarde, provocando pelo menos dois mortos e três desaparecidos. As autoridades dizem que as operações de resgate podem demorar semanas. Os perigos daquela estrada já estavam sinalizados há pelo menos dois anos.


legislativas 2019 promosite
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • palhaço
    22 nov, 2018 11:17
    Bem, se p.coelho não meter o meu comentário para o lixo como é de costume, era só para dizer o seguinte: esta de "Borba rezou pelas vítimas da derrocada. Que não se voltem a repetir coisas destas” não serve de consolo às vitimas. Pelo que parece neste país, e não só, é preciso que aconteçam as tragédias para depois se vir lamentá-las. Isto nunca poderia ter acontecido mas como este país sendo da u.europeia e sempre cada vez mais miserável, com controlo sempre apertado nas contas para o essencial, deixa sempre que o pior aconteça porque nunca há dinheiro para se fazer o que quer que seja. Ainda para mais com a classe de incompetentes que nos têm governado. Agora quero ver se vão publicar o meu comentário. Ah, espera, já estou a ver, falei da u.e, pronto, já é mais que suficiente para p.clh não publicar.