|
A+ / A-

Metropolita Hilário Alfeyev

“Aprendam com os erros da Rússia. Europa não sobrevive sem o Cristianismo”

18 set, 2018 - 16:41 • Filipe d'Avillez

O número dois do Patriarcado de Moscovo defende, em entrevista à Renascença, que a intervenção militar da Rússia na Síria é essencial para defender os cristãos naquele Estado.

A+ / A-

Leia também:


O metropolita Hilarion Alfeyev, "número dois" e responsável pelas relações externasdo Patriarcado de Moscovo defende que a intervenção militar da Rússia na Síria é essencial para defender os cristãos naquele Estado.

Aquele que é considerado, globalmente, como a segunda figura mais importante da Igreja Ortodoxa Russa concedeu uma entrevista à Renascença, durante a sua visita a Portugal.

Alfeyev fala do futuro do Cristianismo na Europa e de como católicos e ortodoxos podem trabalhar em conjunto para o preservar, bem como do papel da Rússia no atual conflito na Síria.

Está em Portugal para falar do futuro do Cristianismo na Europa. Quais as suas ideias a este respeito?

O Cristianismo tem uma longa história na Europa, mas não tem apenas valor histórico. O futuro da Europa está também no Cristianismo. Não consigo imaginar o futuro da Europa sem o Cristianismo. Embora haja muitos políticos e filósofos que acreditam que a Europa sobrevive sem o Cristianismo, não creio. Penso que sem o Cristianismo a Europa perderá a sua identidade.

Disse, recentemente, que a história do Comunismo na Rússia comprova que não se pode construir um Estado justo sem Deus. Há aí uma lição para a Europa ocidental?

Penso que é sempre melhor aprender com os erros dos outros do que sermos nós a cometê-los. O nosso país cometeu um grave erro quando os nossos representantes renunciaram a Deus. Isso levou à revolução, derramamento de sangue, repressão, perseguições e, durante 70 anos, tivemos um Estado em que o ateísmo era uma ideologia oficial.

Foi um grande erro renunciar à religião e o nosso povo sofreu muito por causa disso.

Como é que a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa podem trabalhar juntas para preservar o Cristianismo na Europa?

Já o estamos a fazer. Há dois anos o Papa Francisco encontrou-se em Havana com o Patriarca de Moscovo e tiveram uma conversa muito cordial e fraternal. Falaram de muitos assuntos, incluindo o futuro do Cristianismo na Europa. Antes deste encontro já trabalhávamos muito juntos, agora ainda mais. Este encontro abriu uma página nova na nossa relação.

Tem-se falado muito do ressurgimento da Igreja Ortodoxa Russa e os números são, de facto, impressionantes, mas há muitas críticas sobre a ligação próxima entre Igreja e Estado. Não temem que a Igreja seja manipulada pelo regime russo?

As relações entre Igreja e Estado na Rússia contemporânea obedecem ao princípio de não-interferência nos assuntos internos. Assim, o Estado jamais nos diria quem deve ser eleito patriarca, ou nomeado bispo, ou como devemos organizar-nos. Da mesma forma, a Igreja não se envolve em política, não apoia um candidato a eleições. Podemos comentar o programa eleitoral de certo candidato, mas não podemos dizer que a Igreja apoia um contra outro, porque estamos abertos a pessoas de todas as orientações políticas.

O segundo princípio é o da colaboração em áreas em que isso seja apropriado. Não tememos qualquer influência do Estado, porque existe esta separação muito clara.

Durante a sua estadia em Portugal, vai visitar Fátima. Por um lado, Fátima é um fenómeno que aproxima católicos e ortodoxos, pois levou milhões de católicos a olhar para o sofrimento dos cristãos russos, mas, por outro lado, alguns ortodoxos não gostam da noção da Conversão da Rússia, de que Nossa Senhora falou. Qual é a sua perspetiva?

A conversão da Rússia já aconteceu. Há 30 anos que temos testemunhado esta conversão, o regresso do povo russo à fé ortodoxa. Para mim, esta visita é muito interessante, pois li e ouvi muito sobre Fátima. Mas, como diz um provérbio russo, é melhor ver uma vez do que ouvir cem vezes.

Outro tema que o traz cá é o apoio prestado pela Igreja Ortodoxa Russa aos cristãos do Médio Oriente. Que apoio é esse?

Ao longo dos últimos 15 ou 20 anos, houve uma série de processos que prejudicaram a população cristã, levando a um êxodo de milhões de cristãos do Médio Oriente. Por exemplo, no Iraque, a população cristã era de cerca de 1,5 milhões, dos quais só uma décima parte é que ainda permanece no país. A maioria fugiu. Na Líbi,a praticamente já não há cristãos e muitos abandonam o Egito. Ainda durante a guerra civil na Síria, muitos tiveram de abandonar as suas casas e procurar abrigo noutros países.

Por isso, se quisermos proteger o Cristianismo no Médio Oriente, temos de implementar medidas extraordinárias, não apenas de natureza humanitária, mas também de natureza política. A Igreja Ortodoxa Russa está diretamente envolvida na distribuição de ajuda humanitária. Em fevereiro deste ano, por exemplo, distribuímos 77 toneladas de ajuda humanitária, comprada com dinheiro recolhido não só por ortodoxos, mas também por outras comunidades cristãs e não cristãs na Rússia.

Mas mais do que ajuda humanitária, para garantir a sobrevivência dos cristãos no Médio Oriente é preciso ajuda política. Se as coisas continuarem como estão no Médio Oriente, há uma forte possibilidade de o Cristianismo ser completamente expulso da região onde nasceu.

Todavia, em muitos países ocidentais a Rússia costuma ser apresentada como parte do problema pelo seu papel na Síria e pelo apoio dado ao regime de Assad…

Eu não sou especialista em política, mas posso dizer que, ainda hoje, em Moscovo, o grão-mufti da Síria vai encontrar-se com o nosso Patriarca. Ele, como muitos outros líderes religiosos na Síria, diz que se o regime de Assad cair não há futuro para o Cristianismo. Esta foi também a mensagem dos líderes cristãos da Síria depois de as forças aéreas do Ocidente terem bombardeado o país. Disseram-no de forma clara, aberta e franca.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • JOAQUIM S.F. SANTOS
    21 set, 2018 TOJAL 14:23
    Filhos, todas as profecias que o céu vos dá estão a cumprir-se, ou irão cumprir-se. Aproxima-se o cumprimento da profecia de Fátima, a efemérides dos 100 anos da minha aparição na Cova de Iria. Estou muito triste porque a humanidade segue pecando sem prestar atenção às minhas palavra. A Rússia não foi consagrada ao meu coração como eu o pedi. Sim continua sem ser consagrada. Se esta não for consagrada como eu pedi converter-se-á em tormento para a humanidade. Filhos, rogo a esta humanidade tão relaxada, que continua transgredindo os preceitos de meu Pai, sem tomar consciência dos acontecimentos que estão para se desenrolarem. Acontecimentos que vão fazer com que grande parte da humanidade se perca. Vivem o dia à dia, como no tempo de Noé, sem prestarem atenção aos apelos do céu o que os vai levar ao infortúnio, de um momento para o outro perderão suas almas. Se este ano que está por começar não for consagrada a Rússia ao meu imaculado coração, vos asseguro que vós ireis lamentar porque o céu não irá deter os tormentos do comunismo que se estão a espalhar, como uma praga, pelo mundo. O comunismo é ateísta e busca subjugar os povos, levando-os à escravidão. Meu adversário valer-se-á dele para flagelar as nações. Os exércitos de Gog e Magog são seus aliados e serão eles os que vão trazer tanta desolação e morte para a humanidade. Faço um apelo doloroso ao Papa e aos meus cardeais para que antes do dia 13 de maio 2017, a Rússia seja consagrada ao Meu Imaculado Coração. Não foi!?