Isolados e sem comunicações, dois anos depois dos incêndios. "Se o lume voltar, o Estado pode vir tomar conta disto"

17 jun, 2019 - 06:20 • Joana Gonçalves

A aldeia de Marinha do Vale Carvalho, na Sertã, continua sem comunicações, dois anos depois do grande incêndio que devastou a zona. Os terrenos e as faixas de gestão de combustível permanecem por limpar. Os proprietários sentem-se esmorecidos, sem vontade de investir, e os concursos públicos estão desertos. Os moradores destas aldeias estão cada vez mais isolados. Este 17 de Junho assinala-se, pela primeira vez, o dia em memória das vítimas de incêndios florestais, dois anos depois da morte de 116 pessoas, no pior ano de incêndios florestais em Portugal.
Tópicos
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.