Isolados e sem comunicações, dois anos depois dos incêndios. "Se o lume voltar, o Estado pode vir tomar conta disto"