O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor

04 abr, 2017 - 10:25 • Vídeos: Bárbara Afonso e Teresa Abecasis

Em entrevista à Renascença, o primeiro-ministro diz acreditar que Portugal vai mesmo sair do Procedimento por Défice Excessivo.
A+ / A-
​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor
​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor

Veja também:


O primeiro-ministro, António Costa, faz um balanço positivo da acção do Governo no sistema financeiro. “Há um ano, estávamos numa situação muito grave. Ao longo deste ano, fomos melhorando”, afirmou esta terça-feira, em entrevista à Renascença.

Questionado sobre a solução encontrada para o Novo Banco, o primeiro-ministro afirmou: "Não vivemos na Alice no País das Maravilhas. Nós vivemos num quadro de um sistema financeiro que estava, há um ano, numa situação dramática, com o Millennium [BCP], o BPI, a Caixa Geral de Depósitos, o Novo Banco... Todos.."

“Os problemas deixaram de ser escondidos”, argumenta, numa crítica ao anterior Governo.

"Hoje, temos o BPI com o seu problema accionista ultrapassado, temos o Novo Banco vendido e em condições de arrancar, temos a Caixa Geral de Depósitos 100% capitalizada e integralmente pública, temos o Millenium devidamente capitalizado. Há agora um problema ainda a resolver no quadro do Montepio", enumerou.

António Costa garante que não irá nascer um banco mau para resolver o problema do crédito malparado que existe no sistema financeiro em Portugal.

Só há razões para sair do PDE

Para Costa, não há “nenhuma razão” para que Portugal não saia do Procedimento por Défice Excessivo. “Só vejo razões para sairmos”, disse. E elencou algumas: um défice abaixo dos 3% em 2016, um défice abaixo dos 1,6% em 2017 (previsão do Governo), uma Caixa Geral de Depósitos recapitalizada à luz das regras de mercado.

A recapitalização da Caixa tem sido um dos principais riscos apontados à manutenção de um défice abaixo dos 3% em 2017. Costa acredita que a Comissão Europeia não vai contabilizar o esforço financeiro público na Caixa nas contas do défice, visto que a recapitalização foi feita sem que seja considerada ajuda estatal.

“Não deverá ser considerado para défice. Mesmo que seja, ficaremos muito próximos dos 3,1%. É uma medida claramente de natureza excepcional, que visa o reforço do sistema financeiro”, diz. Costa vai mais longe: Bruxelas deveria encarar a recapitalização da Caixa como "reforma estrutural” porque “resolve um terço do problema do crédito malparado”.

Para Costa, a “confiança” tem estado a subir porque os portugueses “voltaram a acreditar no país. Claro que sabem que não é um país cor-de-rosa.”

"E sabem que os problemas deixaram de ser escondidos e passaram a ser assumidos. Se hoje temos menos problemas no sistema financeiro é porque no ano passado passamos a ter um discurso de verdade sobre os sistema financeiro em vez de continuar a esconder", afirmou.

O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
Costa explica por que ficou o Estado com 25% do Novo Banco
Costa explica por que ficou o Estado com 25% do Novo Banco
Costa: Centeno mais "útil" em Lisboa do que no Eurogrupo
Costa: Centeno mais "útil" em Lisboa do que no Eurogrupo
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Carlos Costa
    04 abr, 2017 Santarem 15:35
    A Renascença continua a usar o velho lápiz azul,dos tempo do Estado Novo.Já deve estar bastante gasto!!!!!!!!!!!!!
  • COSTA ILUSIONISTA
    04 abr, 2017 Lx 13:41
    Carlos Almeida, penso que o que quiz dizer que o melhor que nos aconteceu foi a bancarrota do seu querido líder o famoso Pinto de Sousa, vulgo Pinóquio, o maior embuste da história democrática de Portugal onde tínhamos um deficit de 11,2 por cento do PIB, um desemprego galopante, contas externas desiquilibradas, uma dívida colossal e por aí adiante ou já se esqueceu diso kamarada...O Passo Coelho fez o trabalho para o pantomineiro do Costa se associar à extrema esquerda e usurpar o sentido de voto dos portugueses e perdendo as eleições "aproveitou" o trabalho feito depois do bandalho do Sócrates nos ter levado ao tapete...Por isso, deve ser rigoroso ou não passa de outro pantomineiro como o seu kamarada Costa...
  • José Silva
    04 abr, 2017 Lisboa 12:56
    Viver na Alice... Sr. PM, diga frases que façam sentido e já agora pronuncie bem as palavras em vez de comer sílabas.
  • carlos almeida
    04 abr, 2017 Lisboa 12:52
    A maior vitória de Portugal foi ter-se livrado do pantomineiro e profeta da desgraça Passo Coelho. É preciso lembrar que este senhor não sabia que em Portugal se pagam impostos...
  • rosinda
    04 abr, 2017 palmela 12:50
    Os portugueses nao tem culpa que a comunicacao social esteja endividada com a banca!
  • Jorge
    04 abr, 2017 Sintra 12:44
    Mau! Quem não está nada bem, parece ser as gentes de alguns bairros históricos de Lisboa(nomeadamente Alfama e Mouraria! Eles são um pouco os "nossos refugiados" cá dentro." São lisboetas que já lá vivem há várias gerações, que neste momento estão a sofrer muito!Precisam de ser ajudados, alguns parecem estar desesperados, sem saberem para onde irem... ainda por cima, as rendas de casa em Lisboa, estão praticamente inacessíveis, para pessoas como aquelas, de baixíssimos recursos económicos. O assunto ontem em discussão na RTP 1, sobre esse tema deixou-me muito preocupado... por favor, não esqueçam estas pessoas, aquém metaforicamente apelido de "os nossos refugiados"!
  • rosinda
    04 abr, 2017 palmela 12:38
    Se isto correr para o torto quem ajudou o povo a acalmar tem responsabilidade!
  • MENTIRAS PROPAGANDA
    04 abr, 2017 Lx 12:29
    Mas afinal este vendedor de ilusões não disse que tínhamos virado a página da austeridade? É só mentira, propaganda, retórica e ilusões deste pantomineiro que gere à vista, sem fazer qualquer reforma a não ser desfazer o que foi feito por pura demagogia e ideologia das esquerdas... Enquanto isso continuamos a viver de mão estendida, dos empréstimos do BCE e não só, sendo que a dívida pública aumenta a um ritmo imparável e o pantomineiro vai empurrando com a barriga para a frente...a factura virá e sem piedade e depois queixem-se do futuro enquanto hipotecamos o dos nossos filhos e netos com este demagogo que faz lembrar o mitómano chmado Pinto de Sousa para quem tudo era como no país da Alice no País das Maravilhas até ao estouro final da bancarrota...
  • alou
    04 abr, 2017 Viseu 12:26
    obrigado, sem que o ser F. soares estudou bastante, mas nem sempre são os que estudam muito que são os mais inteligentes
  • rosinda
    04 abr, 2017 palmela 12:02
    Vigarista roubas-te o povo a boca das urnas "a sorte de nao se envolver tudo a estalada sao as televisoes e radios que tem ajudado o povo a acalmar !