O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

António Costa confirma que Centeno foi sondado para a presidência do Eurogrupo

04 abr, 2017 - 09:34 • Vídeos: Bárbara Afonso e Teresa Abecasis

O primeiro-ministro confirmou, em entrevista à Renascença, que o ministro das Finanças foi sondado para avançar com uma candidatura ao Eurogrupo.
A+ / A-
António Costa. Centeno mais útil em Lisboa do que no Eurogrupo
António Costa. Centeno mais útil em Lisboa do que no Eurogrupo

Veja também:


O primeiro-ministro confirmou, em entrevista à Renascença, que Mário Centeno foi sondado para avançar com uma candidatura ao Eurogrupo, mas vai permanecer no Governo porque "nesta fase" é mais "útil".

"Numa fase em que Portugal ainda tem vários dossiês a negociar com o Eurogrupo, não é para nós uma prioridade", afirmou. "Quem tem a presidência tem uma limitação acrescida ou deveria ter - não é o caso do senhor que actualmente [Jeroen Dijsselbloem] ainda exerce essas funções e que se mostrou manifestamente incapaz de o fazer porque tem que ser um factor de unidade entre todos."

Centeno "seria certamente um excelente presidente do Eurogrupo", mas o primeiro-ministro está muito satisfeito com a sua performance enquanto ministro das Finanças. "Há mais marés que marinheiros", disse ainda.

O convite é "prestigiante para o doutor Mário Centeno e também para o país". O primeiro-ministro só não revela quem o fez. Wolfgang Schäuble? "Não", respondeu, a rir-se.

O discurso de António Costa em entrevista à Renascença está em linha com o do Presidente da República. No sábado, o Presidente da República desejou que o ministro das Finanças permaneça no cargo e não opte por ir presidir ao Eurogrupo.

"Acho que seria uma má solução para Portugal, porque o ministro das Finanças faz falta em Portugal, com o devido respeito que há pela presidência do Eurogrupo", disse Marcelo Rebelo de Sousa.

O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
António Costa. "Milagres? Confio-os à Renascença"
António Costa. "Milagres? Confio-os à Renascença"
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa explica por que ficou o Estado com 25% do Novo Banco
Costa explica por que ficou o Estado com 25% do Novo Banco
​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor
​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Armando Cardoso
    05 abr, 2017 Maceira Leiria 08:02
    Ora aí está o Eurogrupo uma vez mais a demonstrar a sua mediocridade ao querer um "jogador" na sua equipe por ter metido alguns golos na própria baliza. Este ponta de lança das Finanças de Portugal deu nas vistas com o que tem feito ao gosto do Socialismo. Esbanjar e camuflar despesas. Quem vai pagar? Sei mas não digo.