O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Costa sobre Montepio. “Estou descansado quanto aos activos que o Ministério do Trabalho tutela”

04 abr, 2017 - 10:15 • João Carlos Malta , Graça Franco , Raquel Abecasis Vídeos: Bárbara Afonso e Teresa Abecasis

Primeiro-ministro considera que os problemas no Montepio são bastante mais limitados quando comparados com outros que o Governo tem resolvido no sistema financeiro.
A+ / A-
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro

Veja também:


Depois de há uma semana, numa entrevista à Renascença e ao "Público", o ministro das Finanças, Mário Centeno, ter dito, sobre o Montepio, que apenas estava descansado em relação ao seu trabalho, desta vez foi o primeiro-ministro a responder de forma semelhante à pergunta se estava tranquilo em relação ao que se passa na associação mutualista e no banco que têm à frente Tomás Correia e Félix Morgado.

“Relativamente aos produtos supervisionados pelo Ministério do Trabalho, sim, estou tranquilo com a competência do ministro Vieira da Silva”, afirmou.

Sobre o facto de não se ter ouvido nos últimos dias o ministro sobre o Montepio, respondeu: “Não é pelo facto de se falar muito que os problemas se resolvem.”

Sobre os processos que enfrenta Tomás Correia, que lidera a Associação Mutualista Montepio e já liderou o banco Montepio, António Costa defende que não é o Governo que determina a idoneidade de um banqueiro.

“A idoneidade não compete ao Governo”, argumenta. Essa é uma responsabilidade do Banco de Portugal. E no caso da associação mutualista compete ao Governo?Não. Só sobre alguns produtos”, respondeu.

Costa afirmou ainda que o Governo tem trabalhado na transformação da Caixa Económica Montepio Geral em Sociedade Anónima, num novo modelo de supervisão e em “dotar o sistema de recursos de capital necessário”.

A mutualista, defende o primeiro-ministro, é um instrumento da garantia das poupanças “de muitas e muitas famílias” que “é necessário preservar”. Importa, defendeu, não "criar alarmismo desnecessário".

Em relação à crise no Montepio, Costa disse que “é um problema bastante conciso e limitado no sistema financeiro, relativamente a outros problemas que têm vindo a ser resolvidos com sucesso”.

O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
O País das Maravilhas, os precários e a banca. O essencial da entrevista de Costa à Renascença
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa admite integrar precários na Função Pública sem concurso. “Sejam 110 mil ou 80 mil”
Costa explica por que ficou o Estado com 25% do Novo Banco
Costa explica por que ficou o Estado com 25% do Novo Banco
Costa: Centeno mais "útil" em Lisboa do que no Eurogrupo
Costa: Centeno mais "útil" em Lisboa do que no Eurogrupo
​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor
​Costa: “Não vivemos na Alice no País das Maravilhas”, mas o sistema financeiro está melhor
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa: Montepio “é um problema bastante conciso e limitado" no sistema financeiro
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa sobre eutanásia. "Sei que não votaria contra, não sei se votaria a favor"
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Costa não sonha com maioria absoluta e quer reeditar acordo com esquerda
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • PALAVRA POUCO HONRAD
    04 abr, 2017 Lx 13:44
    Pois eu não estou kamarada e já saquei o que é meu dessa banqueta cheia de xuxas amigos...Por isso, cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém...Não acredito em si pois já nos habituou aos seus truques e ás suas fintas...Não confio em si nem na sua palavra que tem deixado muito a desejar kamarada.
  • JP
    04 abr, 2017 Olhão 13:31
    O trabalhador incansável do CDS Nuno Melo quer que todos os portugueses vão ao seu local de trabalho responder perante o seu patrão que nos escravisou durante 4 anos e meio. A questão é saber o que os escravos andaram a fazer ao pilim que enviaram para offshores no Panamá. Aí se o Melo tivesse sido tão pró activo no caso dos submarinos, dos pandurus, dos sobreiros e não só. Este folclore tem a ver com as sondagens que dão 4% ao CDS. É a luta pela sobrevivência que já foi defensor do cisma grisalho, reformados, contribuintes, pensionistas, indigentes e tudo o que na oposição possa dar uns votos. Só que depois quem se deixa embalar paga a fatura e faz dos outros também pagantes.
  • COSTA DEMAGOGO
    04 abr, 2017 Lx 11:08
    Pelo sim e pelo não já tirei o dinheiro do Montepio e dos maçons que desgovernam essa geringonça de banco que não é banco e que obedece à tutela do Ministério do Trabalho...Nem pensar ter tutela de um ministro na associação mutualista falida... E muito menos aplicar o dinheiro em fundos imobiliários como faz o atual Ministro dessa tutela. Isso chama-se jogar no casino kamarada Costa...