O site da Renascença usa cookies. Ao prosseguir, concorda com o seu uso. Leia mais aqui.
A+ / A-

Aeroporto do Montijo. "O problema é pensar seguindo os interesses da Vinci"

15 fev, 2017 - 14:43 • Pedro Mesquita

Especialista do Instituto Superior Técnico realça que o Montijo é a solução mais rápida, mas reitera que isso não quer dizer que seja a melhor. Fernando Nunes da Silva garante que o problema com as aves se vai colocar.
A+ / A-

Veja também:


A localização do aeroporto no Montijo está longe de ser consensual. Fernando Nunes da Silva, professor do Instituto Superior Técnico, lembra que a solução Rio Frio, Palmela, foi rejeitada para a localização de um novo aeroporto por causa do fluxo de aves entre os estuários do Tejo e do Sado.

Ora, este especialista em transportes, que no governo Guterres fez parte de uma equipa escolhida pela ANA para avaliar as possíveis localizações de um novo aeroporto, lembra que a concentração de aves é ainda maior no Montijo. Por isso, dá razão às críticas dos pilotos.

Nesta entrevista à Renascença, Fernando Nunes da Silva admite, no entanto, que o Montijo é a solução mais rápida. Mas reitera que isso não quer dizer que seja a melhor.

O Montijo é mesmo a melhor solução para o novo aeroporto?

Costuma-se dizer quando a casa está a arder, o melhor que há a fazer é chamar os bombeiros, o que não quer dizer que seja a melhor solução. Isto é, na situação actual, a que se deixou chegar o aeroporto de Lisboa, a alternativa melhor e mais viável é, de facto, o Montijo.

É aquela que permite mais rapidamente aumentar a capacidade de operação de toda esta área de Lisboa com um investimento mínimo em termos de infraestruturas de acessibilidade ao novo aeroporto e com uma proximidade relativamente grande com o aeroporto de Lisboa. Portanto, desse ponto de vista, não há nada a acrescentar.

Então qual é o problema?

Bom, o problema maior é que se começa a pensar seguindo os interesses da Vinci, que ficou com a concessão da ANA, e que se comece a pensar que isto é a alternativa à construção de um novo aeroporto para a região de Lisboa com capacidade, de facto, para responder àquilo que sejam os crescimentos de tráfego que estão estimados.

Por uma razão extremamente simples, só quero recordar que a localização do aeroporto em Rio Frio, que estava estudada desde os anos de 1960 por gente extremamente competente e sobretudo por gente que não vende o seu saber ao poder do momento, portanto, não são mercenários da ciência, nem fazem fretes a políticos da ocasião, foi chumbado devido ao problema do fluxo de aves entre o Estuário do Tejo e o Estuário do Sado.

O mesmo acontece com o Montijo…

Ora, exactamente, o Montijo está nesse mesmo corredor de migração de aves que estava Rio Frio. Pior ainda, como está em cima do Estuário do Tejo, a concentração é muito maior do que é no meio da Península de Setúbal. E portanto, o argumento que foi utilizado para chumbar Rio Frio, espero que neste momento não seja revertido para viabilizar o Montijo como solução alternativa.

Os pilotos têm razão quando se queixam do problema das aves...

Têm toda a razão. Há uma coisa que nunca me esqueço que um piloto me disse, e ainda por cima como tenho um filho que trabalha na TAP conheço bem esse assunto. É que quando aquilo der para o torto, quem tem na mão a vida daquelas dezenas ou centenas de pessoas são aqueles dois senhores ou duas senhoras que vão no cockpit.

Não seria possível simplesmente ampliar o aeroporto de Lisboa?

Ampliar o aeroporto de Lisboa dentro da cidade teria sido possível há 40 anos atrás, antes de se ter decidido fazer a Alta de Lisboa e antes de se ter decidido fazer do lado de Loures toda a ampliação de zonas industriais e habitacionais naquela zona.

O que é possível é melhorar as condições operacionais do aeroporto de Lisboa. Agora tem uma capacidade limite, não estica indefinidamente.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Gambuzino
    15 fev, 2017 Coimbra 18:14
    Há uns anos, um tal primeiro ministro implodiu em directo nas TV`s nacionais uma torre em Troia, havia nessa altura um certo acordo de cavalheiros para serem completadas estas tais ligações que refere o RC VCTOR, o resto já lá estava e continua a estar para os camelos do então ministro das finanças pastarem, o dito aeroporto de Beja. Há e pelos vistos o dito mamarracho não serve para as FAP mudarem para lá os seus aviões do Montijo, fica muito longe do Terreiro do Paço !!!!!!! Já agora e que vai pagar a mudança, a VINCI ou o tradicional Zé Povinho nacional, sim que os alfacinhas ficam como sempre de fora, comem a carne os resto do país rói os ossos. Mesmo com a empresa de aviões brasileira em Évora, vai ver que Beja não serve para as FAP. Curioso é que Monte Real serve para as visitas Papais a Fátima e tem UM MILHÃO DE VISITANTES ANUAIS e a região Centro de Portugal sendo a mais populosa do País não merece nem justifica um aeroporto internacional. As FAP não poderiam libertar/trocar Monte Real por Beja ( que já serviu a Força Aérea Alemã em tempos recentes) e instalarmos aí definitivamente um novo aeroporto internacional de interesse nacional ?
  • zé tolas
    15 fev, 2017 lisboa 17:57
    nao diga disparates senhor RC Vitor. Beja nao custou quase nada. foram 30 milhoes o que são pinas, como diz jesus, ou pentelhos, como diz o catroga. e beja fica a 200 km de lisboa. alguem no seu bom senso vai viajar para lisboa ficando a 200 kms do destino? nem as lowcosts faria isso.
  • Pedro Santos
    15 fev, 2017 Porto 17:53
    A lei do eterno retorno. Por mais voltas que dês hás de favorecer os amigos
  • Augusto
    15 fev, 2017 Lisboa 17:41
    eu aos 19 anos era brevetado, não tenho duvidas de ke as aves têm algum perigo se se introduzirem nos reatores, ( poderão em momentos criticos causar acidentes graves) Certamente este problema existem noutros aerodromos do mundo, e uma das situações adoptadas foram as aves de rapina, ( não me estou a referir aos políticos,mas sim ás aves )para ke a curto prazo mudem as suas localizações na imigração. eu sou a favor de duas coisas, a primeira ke as aves de rapina HUMANAS não iniciem construções numa área definida pelos regulamentos internacionais...a segunda ke em relação ao aeroporto de lisboa nunca tenha havida uma falha grave na descolagem c os deposititos atestados de combustivel..haveria bairro de alvalade ou mesmo centro de lisboa? tenham senso comum...PRIMEIRO OS HUMANOS. DEPOIS OS OPORTUNISTAS E PSEUDO CAPITALISTAS..( desculpem a idade não perdoa..eskeci me de referir ke tenho 75 anos)
  • DN
    15 fev, 2017 Lisboa 17:21
    Exatamente RC Victor, é que estou farto de defender, as acessibilidades teriam de ser melhoradas mas isso é algo que á partida terá de ser feito com ou sem maior fluxo para o dito aeroporto, a questão é que não devem de haver muitos ministros ou ex ministros para o lado de Beja, mas com o terminal de Sines e respetiva melhoria de trafego, devem de olhar para Beja om outros olhos que não os de algum grupo com interesses.
  • f spares
    15 fev, 2017 a da gorda 17:07
    Eu também tenho um primo que trabslha na TAP.
  • RC Victor
    15 fev, 2017 Lx 16:02
    Beja custou um monte de dinheiro e está pronto a utilizar, só necessita uma ligação ferroviária de alta velocidade que o ligaria a Lisboa (<1hora) ou a Faro (<2horas) com tempos muito convidativos; a linha do Alentejo está a menos de 10km deste Aeroporto. O problema são sempre os jogos de interesses....