A+ / A-

Assessor jurídico do Benfica ouvido em tribunal

07 mar, 2018 - 07:50

Paulo Gonçalves, suspeito de comprar funcionários da justiça, passou a noite nas instalações da PJ.
A+ / A-

O assessor jurídico da SAD do Benfica, Paulo Gonçalves, e José Silva, funcionário do Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos Justiça são presentes, esta quarta-feira, a um juiz do Tribunal de Instrução Criminal, para primeiro interrogatório.

Paulo Gonçalves foi detido, na terça-feira, por suspeitas de corrupção ativa. Em causa está uma rede alegadamente montada junto do sistema judicial para recolher informações de processos que decorrem no Departamento de Investigação e Ação Penal de Lisboa sobre o clube e também relativos a clubes adversários.

O assessor jurídico é suspeito de distribuir prendas a funcionários judiciais para obter informações de processos.

O Benfica reagiu através de um comunicado. "A Sport Lisboa e Benfica SAD manifesta a sua confiança e convicção de que o Dr. Paulo Gonçalves terá oportunidade, no âmbito do processo judicial, de provar a legalidade dos seus procedimentos".

A Polícia Judiciária deteve duas pessoas por suspeitas de corrupção, acesso ilegítimo, violação de segredo de justiça, falsidade informática e favorecimento pessoal, no âmbito da operação "e-toupeira".

Em comunicado, a PJ revelou a realização de 30 buscas nas áreas do Porto, Fafe, Guimarães, Santarém e Lisboa que levaram à apreensão de "relevantes elementos probatórios". Estão a ser investigados crimes de corrupção passiva e ativa, violação do segredo de justiça, favorecimento pessoal e falsidade informática/cibercrime.

Paulo Gonçalves foi constituído arguido no caso dos emails em 19 de outubro, na sequência de buscas da Policia Judiciária ao clube.

Desde maio que o diretor de comunicação do FC Porto, Francisco J. Marques, tem acusado o Benfica de influenciar o setor da arbitragem e apresentou alegadas mensagens de correio eletrónico de responsáveis ‘encarnados’, nomeadamente de Paulo Gonçalves e Luís Filipe Vieira.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • antirouge
    07 mar, 2018 Setúbal 21:44
    O galinheiro da corrupção a que eles provocatória-mente chamam de catedral!.
  • Mário Neves
    07 mar, 2018 Alverca 11:03
    Quem tem telhados de vidro não deve atirar pedras ao telhado do vizinho.
  • Para refletir...
    07 mar, 2018 Almada 08:31
    Alguns ainda não perceberam que quem fica mais mal visto nisto tudo é o sistema judicial. Haviam alguns fantasiosos que achavam que no sistema judicial "tudo era perfeito" e portanto não era preciso controlo. Em lado nenhum tudo é perfeito. Vejam este estudo da DECO que se encontra aqui e noutros lados, é só procurar: "http://rr.sapo.pt/video/117597/portugueses_confiam_muito_pouco_na_justica". Temos de ficar preocupados quando o MP e os Tribunais estão em desacordo e pedem o afastamento do Juiz. Para o cidadão comum a lei não pode ter várias interpretações! E o poder eleito faz de conta que não se passa nada e aprova a entrada de animais nos restaurantes.