Casos políticos e bacalhau à brás. As "bocas" que marcaram 2022

20 dez, 2022 - 11:50 • Marta Pedreira Mixão , Inês Rocha

O primeiro-ministro garantiu na noite eleitoral que “maioria absoluta não é poder absoluto” e acabou o ano a dizer: “Vão ser quatro anos, habituem-se!”. Os primeiros tempos do novo Governo de maioria absoluta não foram um passeio no parque. Em oito meses houve sete demissões e uma avalanche de casos. Na saúde, o caos nas urgências em agosto e a morte de uma grávida custou a Marta Temido o lugar no ministério da Saúde. Isto depois de a diretora-geral da saúde dizer que “a pior coisa que nos pode acontecer é adoecer em agosto”. Nas redes sociais, 2022 fez-nos rir muitas vezes, desde uma música a representar a ciência ao "super power" de Presidente e a uma gaffe que indignou José Cid.

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários

Renascença na Ucrânia

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.