D. Manuel Clemente

Família "não tem o destaque que devia" nos programas partidários

25 set, 2015 - 15:06 • Inês Rocha

O cardeal patriarca de Lisboa considera que os programas dos partidos políticos deviam estar mais centrados nas famílias. Para D. Manuel Clemente, os problemas das famílias vão muito além das questões económicas e deviam estar na base de qualquer programa político. À margem das Jornadas Nacionais de Comunicações Sociais, a decorrer em Fátima, D. Manuel afirmou ainda que o voto é um dever do cristão, uma vez que a política "diz respeito a todos".

RSS iTunes URL Embed E-mail Facebook Twitter Whatsup Comentários
Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • pedro
    25 set, 2015 lx 23:49
    Com todo o respeito, Sr. Patriarca, todos os cidadãos merecem a mesma atenção, independentemente da sua condição. Tal como salvaguarda a Constituição. Tem sido em torno, e em privilégio - e em argumento -, das famílias, que o poder político (e partidário) tem atacado vários sectores da sociedade - a escola e os professores, por exemplo, onde importa mais o peso político das famílias que o trabalho técnico-pedagógico, profissional, de bem ensinar. Os cidadãos, as pessoas, todos merecem estar no centro das preocupações - respeitar cada cidadão e cada ser humano, com ou sem família.