Emissão Renascença | Ouvir Online
A+ / A-

​Espaço

SpaceX queria utilizar base de Beja, revela "pai" do primeiro satélite português

04 mar, 2024 - 19:07 • Pedro Mesquita

A Renascença falou com Fernando Carvalho Rodrigues no dia em que será lançado o segundo satélite nacional, o "Aeros".

A+ / A-
Fernando Carvalho Rodrigues, pai do primeiro satélite português, em declarações a Pedro Mesquita
Fernando Carvalho Rodrigues vai acompanhar com atenção, mas sem a adrenalina de 1993, lançamento desta segunda-feira.

Sabia que a SpaceX chegou a pensar que seria boa ideia fazer lançamentos espaciais a partir de Beja? Já lá vamos. Quando em Portugal forem 21h18 desta segunda-feira, deverá ser lançado o "Aeros", o segundo satélite da história espacial portuguesa. O primeiro fez história há três décadas.

O "PoSat-1" foi lançado em setembro de 1993. É hoje a vez do jovem "Aeros" se fazer ao caminho. É um nano-satélite, com pouco mais de quatro quilos, e seguirá para o espaço a bordo de um foguetão a partir de uma base da SpaceX, nos Estados Unidos. A sua missão principal será observar os oceanos.

Trinta anos depois, Fernando Carvalho Rodrigues está, de novo, entusiasmado, mas admite que não sentirá a mesma adrenalina. É que, na altura, estava na Guiana francesa, "de coração apertado".

Em entrevista à Renascença, "o pai do primeiro satélite português" percorre as suas memórias e uma delas é verdadeiramente surpreendente: Sabia que a SpaceX, empresa que agora é detida por Elon Musk, chegou a pensar que seria boa ideia fazer lançamento a a partir de Beja?

"Eu tenho um documento engraçadíssimo. A SpaceX queria utilizar, a partir de 1993, a Base de Beja para o lançamento. Foi considerado em 95 que isso era uma coisa louca e que não ia acontecer. Na altura, a SpaceX não era do senhor Musk, era de uns jovens com 20 e tal anos", relata o "pai" do primeiro satélite português.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+