A+ / A-

“O Misterioso Caso de Lázaro Lafourcade”

Aos 96 anos, Ruy de Carvalho é protagonista de um novo filme

22 nov, 2023 - 19:15 • Maria João Costa

Estreia quinta-feira o filme realizado por Tiago Durão. Dedicado ao ator Ruy de Carvalho e aos seus 80 anos de carreira, “O Misterioso Caso de Lázaro Lafourcade” conta com atores como José Raposo, Dalila Carmo, Pedro Lamares, Maria José Paschoal ou Lídia Muñoz

A+ / A-

“Era o primeiro a entrar em cena e o último a sair”. É assim que o jovem realizador Tiago Durão descreve o trabalho no plateau, durante as rodagens com o ator Ruy de Carvalho. Aos 96 anos, e somando 80 anos de carreira, o ator é o coprotagonista do filme “O Misterioso Caso de Lázaro Lafourcade” que estreia nas salas de cinema quinta-feira.

Ruy de Carvalho dá vida ao patriarca Lázaro Lafourcade, e contracena com atores como José Raposo, Dalila Carmo, Pedro Lamares, Maria José Paschoal, Lídia Muñoz, Isac Graça, Ruben Gomes, Guilherme Barroso e Erica Rodrigues.

Em entrevista ao Ensaio Geral, o realizador Tiago Durão conta que Ruy de Carvalho, foi, como esperava “super profissional, como sempre”.

“Chegava na sua hora, sabia perfeitamente o seu texto e o dos outros. O Ruy faz uma coisa muito curiosa quando acaba a cena dele. Já não vai aparecer mais, mas não se quer ir embora. Quer ficar a dar o texto aos outros atores, a contracena, mesmo que não esteja a ser filmado”, conta Tiago Durão.

O realizador lembra o sentido de gratidão dos outros atores para com Ruy de Carvalho. “É importante para os outros atores, e olham para o Ruy com uma grande admiração, grande respeito, bebendo aquilo que o Ruy está a dizer, ou mesmo o seu silêncio”.

Tiago Durão que venceu em 2022 o Prémio Sophia com o documentário, “Eunice ou Carta a uma jovem atriz”, sobre Eunice Muñoz, lembra que o Ruy de Carvalho, “é um ator muito exigente”. “Quem está a realizar e dirigir tem que saber muito bem para onde é que quer levar o Ruy, porque ele faz perguntas difíceis”.

O cineasta que diz não ter tido de repetir cenas com o Ruy de Carvalho recorda “uma história curiosa”. “Quando o Ruy chegou para fazer a sua cena, chama-me e pergunta-me: “Então, filho, qual é o compasso deste filme? Isto é um compasso ternário ou quaternário? Nunca me tinham perguntado isto. E fazia todo o sentido perguntar ali porque o Ruy queria saber a cadência e o ritmo do filme para se poder encaixar”, recorda.

Depois da antestreia no dia 20, no Cinema São Jorge, em Lisboa, que reuniu a comunidade artística, o filme chega agora às salas de cinema. O filme conta a história de um “velho patriarca capitalista que chama a família, os seus descendentes, para a sua mansão no campo e convenientemente, acorda morto na manhã seguinte”, conta Durão.

O filme em tom de comédia satírica, conta com José Raposo no papel de investigador que vai tentar descobrir o que se passou no “Misterioso Caso de Lázaro Lafourcade”. “O crime é um pretexto apenas para falar sobre a família, porque todos eles têm um passado sórdido e numa forma muito cómico-trágica ou muito satírica, vamos falando sobre esta família em que o vilão é o capital”, conclui o realizador.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+