Tempo
|
A+ / A-

Diálogo entre coleções Berardo e Ellipse marca abertura do Museu de Arte Contemporânea/CCB

26 out, 2023 - 20:05 • Maria João Costa Redação (vídeo)

Inaugura sexta-feira o novo Museu de Arte Contemporânea do Centro Cultural de Belém com duas exposições temporárias, uma da coleção Teixeira de Freitas e outra da artista belga Berlinde De Bruyckere e uma exposição permanente que coloca lado-a-lado as coleções Berardo, Ellipse e a de Arte Contemporânea do Estado

A+ / A-
Inauguração Museu de Arte Contemporânea/CCB
Inauguração Museu de Arte Contemporânea/CCB

Nova fase na vida do Centro Cultural de Belém. Depois de fechado o Museu Coleção Berardo, abre portas, esta sexta-feira, o Museu de Arte Contemporânea – Centro Cultural de Belém (MAC/CCB).

São nove mil metros quadrados de área, espalhados por dois pisos onde são mostradas três novas exposições, duas delas temporárias. Mas o coração do museu é ocupado pela exposição permanente que coloca em diálogo as coleções Berardo e Ellipse, com alguns apontamentos da Coleção Teixeira de Freitas e da CACE (Coleção de Arte Contemporânea do Estado).

A visão deste museu é a “relação transversal entre artes visuais, arquitetura e performatividade”. Esta simbiose denota-se na exposição permanente intitulada “Objeto, Corpo e Espaço”, que conjuga várias obras das diferentes coleções.

Nos dois pisos expositivos “o diálogo fica beneficiado pela possibilidade de utilizar peças de quatro coleções distintas”, sublinha Delfim Sardo, à Renascença. O administrador do CCB explica que com esta nova exposição é possível “proporcionar ao público uma visita mais interessante e enriquecedora”.

Contudo, há neste novo percurso salas que mantêm a preponderância do espólio de arte que pertence à coleção Berardo. Pelo meio neste novo percurso surgem peças que pertencem à coleção feita pelo banqueiro João Rendeiro e que, em alguns casos, coincide nos artistas que integram o acervo Berardo.

Há festa no fim de semana e com entrada livre

Para cruzar a performance com as obras expostas esta sexta-feira, às 22h00, há uma atuação do artista João Pimenta Gomes e de Carminho. A fadista vai cantar poemas de Ana Hatherly, junto a uma peça, no meio do museu que parece um pequeno palco, repleto de mesas de mistura.

Para encerrar a inauguração vai estar o DJ Jonathan Uliel Saldanha. O artista é compositor e encenador, logo entende bem o que é esta intersecção entre as artes sonoras e visuais. Já tocou em ensemble em festivais como o Primavera Sound e vai dar música aos visitantes até às 2h00.

O programa de inauguração prolonga-se durante o fim de semana em ambiente de festa, tudo com entrada gratuita. Dias 28 e 29 há programas pensados para famílias, visitas guiadas e música.

No sábado, está marcado um concerto de piano de Máximo Klyetsun para as 17h00. Já no domingo o momento musical está a cargo do clarinetista João Sousa e está agendado para as 12h30 e repete às 15h00.

Duas exposições temporárias

Além da exposição permanente, o museu MAC/CCB inaugura em simultâneo duas novas exposições temporárias. No Piso -1 o visitante vai encontrar “Ou o desenho contínuo”, uma mostra que revela um conjunto de desenhos da Coleção Teixeira de Freitas que passou a estar em depósito no CCB.

Cada sala tem uma cor que corresponde a um tema específico, seja ele a natureza, os mapas ou até mesmo a política. Logo na entrada, a obra pede para que o visitante interaja com ela, podendo fazer o seu próprio desenho.

Em entrevista à Renascença, o colecionador Luís Artur Teixeira de Freitas explica que cerca de 90 por cento” da sua coleção não costuma ser mostrada. Embora as peças sejam muitas vezes alvo de empréstimo para exposições temporárias, é a primeira vez que são mostradas em larga escala no CCB.

Teixeira de Freitas que coleciona há mais de 30 anos diz que se sente “honrado” com o convite para “mostrar de forma continua obras que costumam estar guardadas”.

Outro destaque vai para a exposição temporária da artista belga Berlinde de Bruyckere, intitulada “Atravessar uma ponte em chamas”.

São desenhos, colagens e esculturas que marcam o espaço através das temáticas exploradas pela artista: a morte, a redenção, a sexualidade, a dor e a memória. O bailarino Romeu Runa irá também "dançar com as obras", enfatizando o caráter de performativo presente no museu.

Esta exposição, leva ao MAC/CCB uma peça do Museu Nacional de Arte Antiga. O quadro, um dos tesouros nacionais, “Salomé com a Cabeça de São João Batista” de Lucas Cranach quebra o ritmo da visita, aliviando no visitante a tensão criada pelas peças da artista belga.

Em entrevista à Renascença, a artista mostra-se satisfeita por, pela “primeira vez” conseguir mostrar o seu trabalho “num espaço com uns tetos muito altos”. “É muito bonito”, afirma.

Dialogando com o espaço, Berlinde refere que decidiram “dar espaços aos trabalhos, porque quando olhamos para o conteúdo e os temas dos trabalhos, são quase sempre muito pesados e difíceis de lidar”.

A inauguração está marcada para as 21h30 e a entrada é gratuita durante esta sexta-feira, dia 27, e o fim de semana de dia 28 e 29 de outubro, entre as 10h00 e as 19h00, com visitas guiadas e várias atividades para toda a família.

Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Exposição "Atravessar uma ponte em chamas", de Berlide de Bruyckere. Foto: Joana Margarida Fialho
Exposição "Atravessar uma ponte em chamas", de Berlide de Bruyckere. Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
“Salomé com a Cabeça de São João Batista” de Lucas Cranach. Foto: Joana Margarida Fialho
“Salomé com a Cabeça de São João Batista” de Lucas Cranach. Foto: Joana Margarida Fialho
Desenhos da Coleção de Teixeira de Freitas. Foto: Joana Margarida Fialho
Desenhos da Coleção de Teixeira de Freitas. Foto: Joana Margarida Fialho
MAC/CCB. Foto: Joana Margarida Fialho
MAC/CCB. Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Desenhos da Coleção de Teixeira de Freitas. Foto: Joana Margarida Fialho
Desenhos da Coleção de Teixeira de Freitas. Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho
Obra da exposição "Objeto, Corpo e Espaço". Foto: Joana Margarida Fialho

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+