A+ / A-

Dar Voz às Causas

Isabel Pastor. "A família é a solução natural para o crescimento de qualquer criança"

27 jul, 2023 - 17:30 • Diogo Camilo , Filipa Ribeiro , Sónia Santos

O projeto Acolhimento Familiar da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa dá a crianças a oportunidade de crescerem em ambiente familiar até serem adotadas ou voltarem para a sua família biológica.

A+ / A-
Isabel Pastor. "A família é a solução natural para o crescimento de qualquer criança"

Existe um Lisboa, uma alternativa para crianças e jovens que, por algum motivo, precisam de ir viver para uma instituição. O Acolhimento Familiar é uma iniciativa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa e dá a oportunidade a estas crianças de crescerem em ambiente familiar, fazendo parte de uma família de forma temporária.

Isabel Pastor é a Diretora Unidade Adoção, Apadrinhamento Civil e Acolhimento Familiar da Santa Casa e esteve à conversa com a Sónia Santos na Renascença, para explicar o projeto criado em 2019 que já apoiou 131 crianças e jovens.

A responsável destaca a necessidade de impulsionar o projeto em Portugal, para chegar ao objetivo de 90% das crianças até aos 12 anos a serem acolhidas por famílias. Para isso, defende, é preciso “captar muitas mais famílias”. “As necessidades atuais continuam a ser muito superiores às respostas que podemos dar. Precisamos da colaboração de todos: famílias, profissionais, comunidade em geral, para cuidar proteger e acolher uma criança ou jovem, pelo tempo que for preciso, criando uma relação que perdurará para toda a vida, da criança e da família que acolheu."

Que impacto tem este acolhimento em ambiente familiar?

É um impacto extraordinário, no sentido em que a família é a solução natural para o crescimento e desenvolvimento de qualquer criança. Ou o contrário: a institucionalização, o impacto do acolhimento em casas coletivas é negativo, por não lhe ser prestado este cuidado responsivo, individualizado, afetivo, caloroso e a vivência deste ambiente dentro da família.

Nessa medida, constituem uma relação de fratria com os outros elementos, mas não é um acolhimento coletivo como nas casas de acolhimento, em que chegam a estar 15 ou 20 crianças que não são irmãos, para além dos cuidadores.

A pessoa que adormece a criança, por muito afetiva que seja, não é a mesma que a vai acordar no dia seguinte, que a vai acompanhar à escola. Há uma pluralidade de cuidadores que não permitem que a criança crie um laço privilegiado, por muito afetivos que sejam os técnicos e os cuidadores das instituições de acolhimento.

Como é que as famílias que acolhem as crianças são acompanhadas? Sabem sempre o contexto de quem vão receber?

São sempre informadas sobre o contexto e previamente são preparadas, recebem uma formação e são também avaliadas para verificar, não só se tem efetivamente as tais competências que lhes permitem dar esta resposta de família de acolhimento, como também aferir qual será o perfil da criança para as qual esta família estará capacitada para dar melhor resposta.

Depois há todo um acompanhamento por uma equipa que estará permanentemente a apoiar a família e a criança que lá está acolhida, no sentido de permitir e potenciar os efeitos que nós já sabemos e conhecemos que o acolhimento familiar tem nestas crianças: a segurança, o equilíbrio, capacidades potenciadoras do seu desenvolvimento, socialização, etc.

Quantas famílias já participaram no acolhimento familiar?

Neste momento temos 85 famílias avaliadas e selecionadas, das quais, neste momento, estão 65 ou 66 em exercício, com uma ou mais crianças acolhidas.

E como é que uma família se pode candidatar?

Tem que ser, em primeiro lugar, tocada por esta necessidade, por esta possibilidade de fazer a diferença na vida de uma criança. E depois, desde que preencha os requisitos que são mínimos (idade superior a 25 anos, habitação e condições que permitam proporcionar aquilo que uma família é para uma criança), pode ser uma pessoa só, podem ser dois, pode ser um casal ou duas pessoas ligadas por laços de parentesco que vivam em conjunto.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+