A+ / A-

1949-2022

Morreu António Mega Ferreira. "Um dos melhores da sua geração", lembra Marcelo

26 dez, 2022 - 11:56 • Diogo Camilo

O escritor e ensaísta liderou a candidatura de Lisboa à Expo 98, foi gestor do CCB e presidente do Oceanário de Lisboa. Em entrevista à Renascença, há pouco mais de um mês, dizia não lhe faltar mais nada para fazer.

A+ / A-

O escritor e ensaísta António Mega Ferreira morreu esta segunda-feira, aos 73 anos.

A notícia foi avançada em nota publicada na página da Presidência da República, em que Marcelo Rebelo de Sousa lembra o "amigo de sempre", que foi seu colega desde o Liceu Pedro Nunes até ao fim do curso na Faculdade de Direito de Lisboa.

"Jornalista da imprensa e da televisão, editor, ficcionista, ensaísta, cronista, poeta, tradutor, gestor cultural, António Mega Ferreira foi uma das figuras mais dinâmicas da cultura portuguesa do último meio século", refere a nota, que preta homenagem a "um dos melhores da sua e minha geração no campo da cultura".

Socialista assumido, liderou a candidatura de Lisboa à Expo 98, da qual foi comissário executivo, e foi gestor do CCB e da Orquestra Metropolitana de Lisboa, presidente da Parque Expo e do Oceanário de Lisboa, além de ter sido jornalista no Jornal Novo, no Expresso, em O Jornal e na RTP, onde chefiou a redação da Informação do segundo canal, tendo sido ainda chefe de redação do JL — Jornal de Letras, Artes e Ideias - e fundado as revistas Ler e Oceanos.


Em entrevista à Renascença, há pouco mais de um mês, não fazia uma avaliação positiva do governo de António Costa, denunciando a “prudência deste regime de maioria absoluta” que, no seu entender, “tem as cores do medo”. Ao primeiro-ministro avisava que “é preciso ter capacidade de decisão, coragem e arriscar” e afirma que, apesar de não gostar da personalidade, “com Sócrates as coisas avançavam”.

Numa altura em que estaria a lançar o livro “Roteiro Afetivo das Palavras Perdidas”, dizia não lhe faltar mais nada para fazer. Assustado com o estado do mundo, diz que hoje combater a extrema-direita “é a grande utopia em que nos temos que empenhar”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+