Tempo
|
A+ / A-

​Dia Mundial do Livro. Prejuízos podem ascender a 30 milhões de euros

23 abr, 2020 - 13:52 • Maria João Costa

Dia Mundial do Livro celebrado numa altura em que o setor está a braços com a pior crise de sempre devido à pandemia de Covid-19. As quebras de venda são de um milhão à semana. A Renascença ouviu os dois maiores grupos editorias portugueses.

A+ / A-

Veja também:


O Dia Mundial do Livro costuma ser de festa, mas o vírus da Covid-19 também está a deixar o setor do livro nos cuidados intensivos. A atividade parou, as quebras de venda são de um milhão à semana. Estima-se que em maio as perdas possam ascender a 30 milhões de euros.

Em sintonia, os dois principais grupos editorias portugueses, Leya e Porto Editora referem que é o pior momento de sempre. São muitos os livros que ficaram por imprimir, as livrarias estão fechadas há três semanas e as vendas pela internet não compensam a perda gerada por esta paralisação no setor do livro.

Também aqui batalha-se pela sobrevivência, com prejuízos avultados. Nas contas de Pedro Sobral, coordenador editorial da Leya, o mercado “perdeu quase 80% do seu valor nestas três semanas. Estimamos que terá uma perda de 28 a 30 milhões de euros no início de maio”.

Em declarações à Renascença, Pedro Sobral, responsável do grupo que detém editoras como a Caminho e a D. Quixote, refere que “o setor é constituído na sua maioria por pequenos editores e livreiros que batalham neste momento pela sobrevivência. Independentemente dos outros editores que pertencem a este setor, é uma situação aflitiva”.


O livro é a indústria cultural que mais tem contribuído nos últimos anos para o Produto Interno Bruto (PIB).

“O setor está a perder cerca de um milhão de euros por semana. É um setor que faturava, segundo a GfK, cerca de 150 milhões de euros ao ano em venda de livros”, contabiliza Vasco Teixeira, administrador do Grupo Porto Editora.

Este responsável do grupo que tem chancelas como a Quetzal, Assírio e Alvim e a Livros do Brasil aponta que perdas de “10% a 30%”. Vasco Teixeira indica que tudo “vai depender do ritmo de retoma” que, considera, “vai ser lento.”

A APEL, que representa editores e livreiros, reuniu-se esta semana com o Ministério da Cultura. A ministra Graça Fonseca recomendou que procurasse soluções nas medidas transversais do Governo.

Esta quinta-feira, o Ministério da Cultura anuncia, em comunicado, a disponibilização de 400 mil euros para a aquisição de livros a pequenas editoras e livrarias.

Setor pede medidas de urgência. “Temos anos muito negros pela frente”

Pedro Sobral, da Leya, que é também vice-presidente da APEL, diz que são necessárias medidas de urgência para pensar a saída da crise. “O setor precisa de um apoio que permita sustentadamente olhar para a frente. Este mercado perdeu até 2018, 25% do seu valor. Não o tinha recuperado, aliás estava lentamente a recuperar, e isto foi um golpe tremendo num setor que por si tem bastantes fragilidades. As medidas que a APEL apresentou são de curto prazo e têm urgência – não me vem à cabeça outra palavra”.

Do que resultou da reunião com o Ministério, mais uma vez, o setor editorial e livreiro sente que vai ter de agarrar o destino com as próprias mãos, aponta Vasco Teixeira.

O administrador da Porto Editora perspetiva anos negros pela frente e teme que os apoios não cheguem.

“Temo que não vá chegar para setores como as livrarias. Os editores estão a montante das livrarias e, por isso, a grande preocupação dos editores neste momento é com as livrarias que têm obviamente o problema do poder de compra que vai cair muito. Por isso, as perspetivas são de uma brutal quebra nas vendas, mesmo depois da retoma. O consumo de livros não vai recuperar e, por isso, temos pela frente dois, três anos muito negros. Esperar-se-ia mais sensibilidade da parte da ministra da cultura com este setor que é o principal setor da aérea cultural.”

Para dinamizar o Dia Mundial do Livro, a Leya lança esta quinta-feira um clube de leitura. Chama-se “Próximo Capítulo” e “não é mais do que um clube de leitura transportado para o mundo digital. Pretende-se que seja um espaço de partilha de livros de quem os faz para quem os lê”, indica Pedro Sobral.

Também a Porto Editora desafia, através das suas redes sociais, a oferecer um livro com uma dedicatória. Há 80 títulos disponíveis. Mas a melhor receita é mesmo ler, sublinha Vasco Teixeira. “Ler é uma vitamina para o cérebro nestes dias de confinamento em que os portugueses estão fechados em casa. O livro é um grande companheiro”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+