A+ / A-

​Orquestra Metropolitana. Sai Mega Ferreira, entra Miguel Honrado

17 dez, 2019 - 14:23 • Maria João Costa

O ex-secretário de Estado da Cultura Miguel Honrado é o novo Diretor Executivo da AMEC, a Associação que gere a Orquestra Metropolitana.

A+ / A-

O ex-secretário de Estado da Cultura Miguel Honrado vai substituir António Mega Ferreira à frente da Orquestra Metropolitana.

Em comunicado enviado à Renascença, a Associação Música, Educação e Cultura (AMEC) que dirige a Metropolitana e três escolas de música confirma a nomeação.

Há duas semanas, o “Expresso” noticiava a saída de Miguel Honrado da administração do Centro Cultural de Belém.

Ao “Público”, o ex-secretário de Estado da Cultura afirmou que não se revia “na orientação do projeto do CCB” por onde passou oito meses. Agora surge a confirmação de que a 1 de fevereiro vai assumir as funções como diretor executivo da AMEC.

Honrado vai substituir António Mega Ferreira que completou 70 anos e que, segundo o comunicado, “entendeu que essa circunstância aconselha a que dê lugar a um novo detentor do cargo, com outra disponibilidade física e, porventura, com novas ideias e novas soluções, capaz de enfrentar os desafios que se avizinham.”

Miguel Honrado é licenciado em História. Exerce desde 1989 cargos na área da produção e gestão cultural.

Entre outros cargos, foi diretor artístico do Teatro Viriato entre 2003 e 2006, tem também exercido atividade docente e pertence desde 2012 ao Conselho Consultivo do Programa Gulbenkian Educação para a Cultura e Ciência – Descobrir. Entre novembro de 2007 e dezembro de 2014 esteve à frente da EGEAC, a Empresa Municipal de Gestão de Equipamentos e Animação Cultural da Câmara Municipal de Lisboa.

Em 2014 transitou para a presidência do Conselho de Administração do Teatro Nacional D. Maria II.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+