Tempo
|
A+ / A-

"Baixem as bandeiras". ​Ucraniana denuncia intimidação de russos durante a JMJ

04 ago, 2023 - 22:21 • Tomás Anjinho Chagas

Marta Ivanochko alerta para um grupo de russos que chamou os ucranianos de “nacionalistas” por estarem de bandeira ao alto.

A+ / A-

Uma luso-ucraniana denuncia que houve um grupo de russos que intimidou ucranianos para que eles baixassem a bandeira da Ucrânia, durante a Jornada Mundial da Juventude (JMJ2023).

Em declarações à Renascença antes de se iniciar a Via-Sacra, na Colina do Encontro (Parque Eduardo VII), Marta Ivanochko relata um episódio de intimidação por parte de um grupo de russos.

“Começaram a dizer que devíamos baixar as nossas bandeiras. Todas as pessoas estão com bandeiras dos seus países, mas a nós disseram-nos que somos nacionalistas”, denuncia a jovem de 18 anos, que pertence à Cym, uma associação de jovens ucranianos que existe em todo o mundo.

No meio da multidão, com uma bandeira ucraniana ao alto e uns brincos azuis e amarelos, Marta Ivanochko reclama: “Afinal, mostrar uma bandeira, no século XXI, é sinal de nacionalismo?”

“Eu não compreendo”, lamenta esta jovem que na t-shirt que traz vestida tem o rosto de uma criança de cinco anos que morreu na guerra que começou depois da invasão russa, em fevereiro do ano passado.

Esta luso-ucraniana critica ainda a falta de afluência às manifestações organizadas pela Associação de Ucranianos em Portugal, que acontecem todos os meses.

“Não vejo nem 1% das pessoas que estão aqui nas nossas manifestações. Estas pessoas têm voz e podem ser utilizadas não apenas para orar, mas para falar da guerra na Ucrânia”, aponta esta jovem católica.

Apesar das críticas, Marta Ivanochko afirma que “em dez pessoas que encontramos, uma reage mal”, e garante que “o resto são pessoas que nos apoiam”.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

  • Timbo Caspite
    07 ago, 2023 Lisboa 15:14
    Esta JMJ mostrou a toda gente que o Para e o catolicismo estão a beirar um precipício, mas ambos de olhos vendados. O Papa a falar da "religião universal", uma parvoíce sem tamanho, "Deus", "Jesus", "pecado", "salvação", "amor", "arrependimento" são alguns exemplos de termos poucos usados neste evento, principalmente combinados. Pelo que percebi, boa parte dos jovens presentes nos eventos estavam à noite em bares, a fumar, a beber, a pegar-se uns aos outros, mas o real motivo da JMJ foi esquecido. Foi mais um acampamento de férias. E a mostra disto foi os embaraços causados entre ucranianos e russos, além de outras situações desagradáveis.
  • Alexandre
    07 ago, 2023 Viseu 00:13
    Ela não tinha telefone para gravar um vídeo ou tirar uma foto? Em psicologia, isso é chamado de "síndrome da vítima". Então ele inventa essa história. Muitos ucranianos fazem isso - eles exageram e muitas vezes mentem descaradamente

Destaques V+