A+ / A-

Enviado do Papa oferece ajuda para acabar com a guerra na Ucrânia

20 mai, 2022 - 18:01 • Ricardo Vieira

Arcebispo Paul Gallagher espera que, com esforços combinados de todo o mundo, seja possível acabar em breve com a morte e destruição na Ucrânia.

A+ / A-
Arcebispo Paul Gallagher visita de monumento aos soldados ucranianos mortos na guerra, em Kiev. Foto: Sergey Dolzhenko/EPA
Arcebispo Paul Gallagher visita de monumento aos soldados ucranianos mortos na guerra, em Kiev. Foto: Sergey Dolzhenko/EPA

O chefe da diplomacia do Vaticano, arcebispo Paul Gallagher, reafirma a disponibilidade da Santa Sé para negociações de paz entre Rússia e Ucrânia.

O enviado do Papa Francisco, que terminou esta sexta-feira uma visita à Ucrânia, falava durante uma conferência de imprensa, em Kiev, com o homólogo ucraniano.

“A Santa Sé reafirma, como sempre o fez, sua disposição de auxiliar um genuíno processo negocial, vendo-o como o caminho justo para uma resolução justa e permanente”, declarou o arcebispo Paul Gallagher.

O arcebispo espera que, com esforços combinados de todo o mundo, seja possível acabar em breve com a morte e destruição na Ucrânia.

Durante a manhã, o chefe da diplomacia do Vaticano visitou a cidade de Bucha, um dos locais emblemáticos da tragédia da guerra na Ucrânia.

O enviado do Papa rezou junto a uma vala comum, próxima da Igreja ortodoxa de Santo André, de onde foram exumados mais de 100 corpos.

“É um horror porque essas coisas foram feitas por homens a outros homens e feitas gratuitamente a civis, de uma forma completamente bárbara. E isso é realmente um horror. Somos testemunhas dos sofrimentos e martírio deste país”, declarou o arcebispo Paul Gallagher.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+