Tempo
|
A+ / A-

​Revelado restauro da Igreja de São Romão de Carnaxide

21 abr, 2022 - 16:01 • Ana Lisboa

A iniciativa é do projeto 'Open Works' da Câmara de Oeiras. As visitas para conhecer o que foi feito nesta Igreja começam a partir desta sexta-feira, 22 de abril.

A+ / A-

A autarquia de Oeiras, nos arredores de Lisboa, realiza mais uma edição do projeto 'Open Works', "uma iniciativa que pretende aproximar as pessoas do património, recorrendo ao fascínio dos bastidores do património cultural que se encontra em recuperação", explica o município em comunicado enviado à Renascença.

Este ano será revelado o restauro a que foi submetida a Igreja de São Romão de Carnaxide, localizada em pleno centro histórico: "há frescos a descoberto, anjos, cores novas e documentos nunca vistos", sublinha a nota da Câmara de Oeiras.

O 'Open Works' vai ainda contar "os segredos descobertos, as técnicas utilizadas, o antes e o depois em todo o seu esplendor".

Nesse sentido, para dar a conhecer a todos os interessados, "serão realizadas visitas entre 22 de abril e 21 de maio, às 18h00 de sexta-feira e às 10h30 de sábado".

As inscrições devem ser feitas através do email udph@oeiras.pt ou pelo número telefone 214 404 847.

As visitas guiadas "coincidem com os dois meses de celebração do património e dos museus por excelência (abril e maio)".

A história da Igreja de São Romão de Carnaxide

Esta igreja teve a sua origem "num pequeno templo edificado no reinado de D. Fernando, em 1384 e é dedicada a S. Romão, padroeiro dos lavradores.

A pequena ermida foi reconstruída e convertida em igreja paroquial no 3º quartel do séc. XVIII, tendo passado por várias fases de construção", explica o município.

Hoje podemos observar "provas dessas fases através dos vários elementos que cada época nos deixou: de 1528 data a cruz prioral, de 1588 o relógio de Sol, de 1688 a torre do lado poente e a campa da sepultura colocada à entrada e de 1694 a sacristia".

Uma das suas características mais marcantes "é o conjunto de azulejos de padrão azuis e brancos, de finais do século XVII".

O edifício sofreu "grandes danos com o terramoto de 1755. Para a sua reconstrução contribuiu o Rei D. José e o povo de Carnaxide".

Foi refeita "a parte superior da frontaria e no interior foi construído um novo coro alto de pedraria". No entanto, "só no ano de 1970 esta igreja foi definitivamente acabada".

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+