Tempo
|
A+ / A-

Cartuxa de Évora abre ao público para derradeiras visitas

11 abr, 2022 - 13:35 • Rosário Silva

Antes do regresso da clausura, com o acolhimento da nova comunidade religiosa, a Cartuxa de Évora recebe as últimas visitas do público, entre abril e maio.

A+ / A-

O Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli vai estar de portas abertas à cidade, a partir de 18 de abril e até dia 14 de maio. Nesse período é possível visitar gratuitamente a Cartuxa de Évora, em visitas livres, todas as terças-feiras e sábados, entre as 10h00 e as 13h00, ou em visitas guiadas mediante inscrição prévia.

Uma nota da Fundação Eugénio de Almeida (FEA) dá conta de que já não falta muito para que a vida em clausura regresse ao mosteiro, com o acolhimento das Irmãs do Instituto das Servidoras do Senhor e da Virgem de Matará.

Até lá, refere a FEA, ainda é possível “conhecer este exemplar da arquitetura religiosa, ímpar em Portugal, nas últimas visitas ao Mosteiro Cartuxa”.

Local de oração e contemplação, durante seis décadas, o Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli foi “um espaço inacessível, marcado pela clausura, silêncio e recolhimento da comunidade de cartuxos”.

Agora, a vida em clausura vai regressar e “neste momento de transição”, a Fundação Eugénio de Almeida “convida a participar nas últimas visitas guiadas ao mosteiro, numa oportunidade única de conhecer rituais, hábitos e exercícios espirituais praticados por quem o habitou”, pode ler-se na nota enviada à Renascença.

Iniciada a sua edificação em 1587, o Mosteiro de Santa Maria Scala Coeli, foi o primeiro mosteiro da Ordem dos Cartuxos a ser construído em Portugal. Objeto de diferentes utilizações ao longo da sua história, como Hospício de Donzelas Pobres de Évora, Escola Agrícola Regional e centro de lavoura da Casa Agrícola Eugénio de Almeida, o mosteiro volta a recuperar a sua função religiosa, em 1960, graças à intervenção de Vasco Maria Eugénio de Almeida.

Comentários
Tem 1500 caracteres disponíveis
Todos os campos são de preenchimento obrigatório.

Termos e Condições Todos os comentários são mediados, pelo que a sua publicação pode demorar algum tempo. Os comentários enviados devem cumprir os critérios de publicação estabelecidos pela direcção de Informação da Renascença: não violar os princípios fundamentais dos Direitos do Homem; não ofender o bom nome de terceiros; não conter acusações sobre a vida privada de terceiros; não conter linguagem imprópria. Os comentários que desrespeitarem estes pontos não serão publicados.

Destaques V+